Novo estudo muda dramaticamente onde acreditamos que os extraterrestres possam viver

Novo estudo muda dramaticamente onde acreditamos que os extraterrestres possam viver
Uma equipa de astrobiólogos redefiniu as noções convencionais de onde a vida pode existir dentro de um sistema solar. 

Eles sugeriram que a vida poderia existir em planetas interiores com superfícies inóspitas.

Apelidadas de "zonas habitáveis ​​do subsolo", esta nova definição de zonas habitáveis ​​significa que a vida extraterrestre pode ser muito mais prevalente do que imaginávamos.

Normalmente, a zona habitável de um sistema solar é uma banda bastante estreita dentro da qual os planetas podem suster água líquida na superfície e agarrar-se a um ambiente estável. Para o nosso sistema solar, essa região do espaço impregnado de vida estende-se de Vénus até Marte.

Mas, como uma equipa de pesquisadores das Universidades de Aberdeen e St. Andrews estão agora a discutir, esta definição tradicional não leva em conta a vida que pode existir sob a superfície de um planeta.

De fato, como os extremófilos na Terra têm mostrado, a vida pode ser incrivelmente resistente. Além do mais, as temperaturas aumentam à medida que a profundidade aumenta, uma vez que as temperaturas podem favorecer a água líquida, é concebível que a vida possa existir lá, também.

Para demonstrar que este é o caso, os investigadores utilizaram um modelo de computador para aproximar temperaturas abaixo das superfícies de planetas, inserindo a distância às suas respectivas estrelas e o tamanho do planeta. Isto permitiu-lhes chegar a uma zona habitável de subsuperfície.

Os resultados mostraram que o raio habitável em torno de uma estrela aumenta três vezes se a vida pode existir a 5,3 km abaixo da superfície (como é o caso da Terra). Se ela poder existir a 10 km abaixo (difícil, mas não impossível), estenderia a zona habitável de subsuperfície do nosso sistema solar por um fator de 14. 

Iria além de Saturno - num intervalo que teria que incluir luas como Europa e Ganimedes, sendo que em ambos os casos se pensa existirem oceanos no subsolo. De igual forma, significaria que Vénus também poderia ser considerado potencialmente habitável apesar da sua superfície quente fervente.

Incrivelmente, Sean McMahon, o pesquisador principal, diz que isso abre a possibilidade de que mesmo planetas errantes à deriva no espaço interestelar poderiam abrigar vida. Ao mesmo tempo, a ideia de zona habitável de subsuperfície irá aumentar dramaticamente o número de exoplanetas e exoluas considerados adequados para a vida extraterrestre. 

Na verdade, mais vida pode existir dentro de planetas do que na superfície, sendo que a Terra pode realmente ser uma anomalia. Claro que o tipo de vida falado até agora é principalmente a vida microbiana (embora provavelmente não exclusivamente).

O que seria realmente fascinante se saber é a zona habitável específica para a existência de vida inteligente com capacidade de produzir ondas de rádio. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário