Vida após morte cerebral: O corpo ainda vive?

Vida após morte cerebral: O corpo ainda vive?
Uma menina de 13 anos de idade na Califórnia continua ligada a um ventilador depois de ter sido declarado clinicamente morta pelos médicos. 

Embora uma pessoa com morte cerebral não esteja legalmente viva, quanto do corpo continua a trabalhar com a ajuda da tecnologia, e durante quanto tempo?

Jahi McMath de Oakland, na Califórnia, foi declarada com morte cerebral no mês passado, depois de experimentar uma complicação extremamente rara numa cirurgia às amígdalas. 

Membros da família do Jahi têm lutado para manter a sua filha ligada a um ventilador, mas um juiz ordenou que a máquina fosse desligada na próxima semana.

Uma pessoa é considerada clinicamente morta quando não tem mais nenhuma atividade neurológica no tronco cerebral ou no cérebro - ou seja, não tem impulsos elétricos a ser enviados entre as células cerebrais. 

Os médicos realizam uma série de testes para determinar se alguém está com morte cerebral, um dos quais implica verificar se o indivíduo pode iniciar a sua própria respiração, um reflexo muito primitivo realizado pelo tronco cerebral.

No entanto, o sistema elétrico intrínseco ao coração pode manter o órgão a funcionar por um curto período de tempo depois de uma pessoa entrar em morte cerebral - na verdade, o coração pode até bater fora do corpo. 

Mas, sem um ventilador para manter o sangue e o oxigênio em movimento, o coração iria parar muito rapidamente, geralmente em menos de uma hora. Com apenas um ventilador, alguns processos biológicos - incluindo rins e funções gástricas - podem continuar durante uma semana.

Sabe-se também que os cabelos e as unhas podem crescer depois de uma pessoa estar morta. No entanto, tais funções não significam que a pessoa está viva. Sem o cérebro, o corpo não secreta hormonas importantes, necessárias para manter os processos biológicos - incluindo função gástrica, renal e funções imunitárias.

A pressão arterial normal, que também é fundamental para as funções corporais, muitas vezes, não pode ser mantida sem medicação de pressão arterial numa pessoa com morte cerebral. 

De igual forma, uma pessoa com morte cerebral também não pode manter a sua própria temperatura do corpo, sendo que o corpo é mantido quente com cobertores, uma temperatura ambiente elevada e, por vezes, fluidos quentes intra-venosos.

O corpo de uma pessoa com morte cerebral não é normalmente suportado por muito tempo. Os médicos às vezes dão apoio (na forma de um ventilador, hormonas, fluidos, etc) durante vários dias se os órgãos forem utilizados para doação, ou se a família precisa de mais tempo para se despedir.

Há muito pouca pesquisa sobre quanto tempo o corpo de uma pessoa com morte cerebral pode ser mantido. A discussão de morte encefálica remonta à década de 1950 em França, com seis pacientes que foram mantidos "vivos" entre dois e 26 dias sem o fluxo de sangue no cérebro. 

Isso gerou a ideia de que talvez haja uma segunda maneira de morrer, já que anteriormente, uma pessoa era considerado morta apenas quando o seu batimento cardíaco e a respiração paravam. 

Hoje, com ventiladores, o aumento da pressão arterial e as hormonas, o corpo de uma pessoa com morte cerebral poderia, em teoria, ser mantido em funcionamento por um longo tempo, talvez indefinidamente. No entanto, com o tempo, o corpo de uma pessoa com morte cerebral, torna-se cada vez mais difícil de manter, e o tecido fica em alto risco de infecção. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. Vida após morte cerebral: O corpo ainda vive?
    Falou, falou, falou e no fim não falou nada de interessante, parabéns

    ResponderEliminar