7 inexplicáveis mistérios do espaço

Conheça 7 inexplicáveis mistérios do espaço
Esqueça os OVNIs, há um grande número de objetos e eventos no espaço que são identificados, mas ainda completamente incompreensíveis. 

Desde os planetas do nosso sistema solar, até rajadas de energia inexplicáveis ​em todo o universo, aqui estão alguns dos maiores mistérios do espaço.

7. A cor da tempestade vermelha de Júpiter

Você provavelmente já viu imagens incríveis deste furacão maciço e vermelho que gira em todo o hemisfério sul de Júpiter há pelo menos 400 anos. Sabemos que é um fenómeno semelhante a um furacão, onde poderiam caber 3 Terras no seu interior, e que é mais frio e mais alto do que as nuvens próximas. 

A cor da tempestade vermelha de Júpiter


Ao longo de séculos de observação, também descobrimos que ele muda de cor, movendo-se entre um rosa pálido e um vermelho brilhante. De igual forma, também está a encolher. Mas porque motivo ele durou tanto tempo? Porque razão muda de cor? Há algumas boas teorias, mas a razão exata ainda é desconhecida.

6. A frieza incrível dos anéis de Saturno

Os ultra-finos e gelados anéis de Saturno são outra parte familiar do nosso sistema solar tão misteriosos quanto a mancha vermelha de Júpiter. Sabemos do que é feito e compreendemos algumas das forças de maré que os levam a mudar de forma. Também estamos certos de que se formaram há 4400000000 anos, na época em que a maioria dos planetas do sistema solar se foram aglutinando. 

A frieza incrível dos anéis de Saturno


Mas ainda não há certeza de como se formaram, porque razão eles são feitos quase inteiramente de gelo, e porque motivo eles são capazes de manter uma forma tão perfeitamente plana enquanto giram ao redor do planeta, com as suas muitas luas. Eles são o resultado de diversas luas destruídas? Sobras da formação do sistema solar? Simplesmente não há certezas.

5. Quente desordem de Júpiter

Os gigantes gasosos em órbitas apertadas em torno das suas estrelas foram um dos primeiros tipos de exoplanetas que os astrónomos começaram a descobrir em grande número na nossa galáxia. O que é intrigante sobre estes gigantes é a forma como eles estão perto dos seus sóis. As substâncias que normalmente se encontram num planeta semelhante a Júpiter são encontrados nos confins de um sistema solar, sendo intrigante a forma como esses planetas se formam tão próximos das suas estrelas. 

Quente desordem de Júpiter


No início, os cientistas acreditavam que eles migravam lentamente para as suas posições atuais desde mais longe, em espiral em direção a seus sóis durante a formação dos seus sistemas solares. Mas, tal ideia já foi conclusivamente refutada por estudos que mostraram que eles têm planos orbitais orientados quase aleatoriamente no que diz respeito aos eixos de rotação das suas estrelas-mãe. Na verdade, muitos deles orbitam em direções opostas às dos seus sóis, o que é incrivelmente estranho.

4. As variáveis ​​cataclísmicas

Temos visto muitos tipos de estrelas na nossa galáxia, desde anãs vermelhas até gigantes vermelhas, mas algumas estrelas são particularmente estranhas. Especialmente quando elas vêm em pares. Tal é o caso de uma classe de estrela binária chamada de variável cataclísmica. Estas são anãs brancas que estão numa órbita muito próxima em torno dos seus companheiros - tão perto, na verdade, que eles retiram à outra estrela todo o seu gás. 

As variáveis ​​cataclísmicas


Uma variável cataclísmica pode ser o resto de um evento onde uma estrela num sistema binário era uma gigante vermelha, e comeu a sua companheira. Uma vez dentro da gigante vermelha, a estrela explodiu o gás do gigante vermelho, deixando para trás uma anã branca prematuramente nua. Mas como tudo isso acontece? A comunidade astrofísica ainda não sabe.

3. Explosões de raios gama

As explosões de raios gama são frequentemente apelidadas de os mais brilhantes eventos eletromagnéticos do universo. Elas libertam mais energia em poucos segundos do que uma estrela típica durante toda a sua vida, e nós só as observamos em galáxias distantes. No máximo, elas duram alguns minutos. 

Explosões de raios gama


Elas são conhecidas há 40 anos, mas a sua causa ainda é desconhecida. Alguns foram correlacionadas a galáxias muito distantes, mas a maioria não se correlacionam com nada! Elas estão a explodir buracos negros ou algo ainda mais estranho? Nós não sabemos, mas certamente não iremos sobreviver para descobrir se uma vier em nossa direção.

2. A forma da matéria escura

A matéria escura é uma forma hipotética de matéria que parece exercer uma força gravitacional sobre a matéria visível - mas que não interage com outros tipos de matéria de qualquer outra forma observável. Sabemos que existe matéria escura, porque o comportamento da matéria visível nas galáxias não faz sentido, a menos que haja algo mais a empurrar as coisas e a criar lentes gravitacionais. 

A forma da matéria escura


Até existem mesmo algumas boas ideias sobre a estrutura da matéria escura - com base em descobertas do telescópio Hubble, que agora fundamentam que a matéria escura tenha uma forma de rede e uma estrutura filamentosa, e que as galáxias tendam a agrupar-se em torno das suas costas e nós.

Ainda assim, não temos absolutamente nenhuma ideia daquilo de que a matéria escura é feita, ou mesmo se é um tipo de substância ou uma classe inteira de diferentes tipos de substâncias. Atualmente julga-se que a sua estrutura é baseada no que temos visto da forma do universo visível, onde as galáxias tendem a agrupar-se em formas que sugerem estarem a ser atraídas para essas teias longas e interligadas de matéria invisível, intocável e indetectável.

1. Toda a estrutura do Universo

Nada supera o mistério de como o nosso universo se formou, porque tem a forma que julgamos ter, e porque motivo está a ficar cada vez maior e a um ritmo veloz. Comecemos pela energia escura, que não está realmente relacionado à matéria escura. Especula-se que a energia escura seja a força que está a fazer o universo expandir-se. 

Toda a estrutura do Universo


Talvez seja algo como a gravidade, uma força que afeta toda a matéria. No entanto, a ciência simplesmente não sabe. Mas muitas medidas e experiências confirmam que o universo está a inflacionar de forma cada vez mais rápida. O que conduz a um outro mistério: Quando foi que tudo começou? 

O telescópio Planck ajudou os astrónomos a detectar a radiação cósmica de fundo, ou a luz, desde os primeiros momentos do universo. Mapas dessa luz revelaram algo verdadeiramente incompreensível: cada ponto no início do universo parece ter praticamente a mesma temperatura, apesar de cada ponto estar causalmente desconectado de outro. 

Claro, algumas partes do universo eram um pouco mais quente e alguns um pouco mais frias, mas até agora não temos nenhuma explicação para a forma como o universo conseguiu inflar e, ao mesmo tempo, manter-se relativamente uniforme. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

4 comentários:

  1. Belo post !
    Mais novo agregador de links te esperamos você la!
    http://toroke.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Você diz que alguns aí não tem explicação, mas eu acabei de ver uma série "Como funciona o universo" que mostra algumas explicações de alguns desses fenômenos aí. Não sei em quem acreditar o.o

    ResponderEliminar
  3. Na verdade, o cara mais inteligente, o cara mais foda, o cara mais pica, o cara que mais sabe sobre o universo é simplesmente um cogitador. Jamais vamos saber de fato o que é essas coisas, de que são feitas... . Esse pessoal que trabalha com essas coisas, estudam essas coisas e "descobrem" o que são e como são feitas, na verdade jamais vão ter 100% de certeza das coisas do espaço e acho que sempre vão ser apenas teorias, por exemplo, essa tempestade vermelha em Jupter, vão estudar, estudar, estudar e estudar e jamais vão ter certeza de como foi feita, porque isso, porque aquilo, para mim é impossível. Minha opnião, minha ideia, #RESPEITEMPORRA!

    ResponderEliminar