Imagiologia cerebral mostra a linguagem da música

Imagiologia cerebral mostra a linguagem da música
Quando os músicos de jazz deixam a sua criatividade fluir e começam a improvisar melodias, eles usam partes do cérebro tipicamente associadas à linguagem falada - especificamente, as regiões que ajudam as pessoas a interpretar a sintaxe ou a estrutura das frases, segundo um novo estudo.

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, nos EUA, rastrearam a atividade cerebral de dois músicos de jazz enquanto tocavam peças de música a partir da sua memória e, em seguida, em improvisação.

Tal improvisação era a criação de algo semelhante a uma conversa musical espontânea. Eles descobriram que as áreas do cérebro associadas com a sintaxe e a linguagem eram muito ativas enquanto os músicos estavam a improvisar.

"As áreas do cérebro relacionadas à linguagem ativavam mais quando o comportamento musical foi espontânea entre os dois músicos", disse Charles Limb, professor na Universidade Johns Hopkins e principal autor de um novo estudo publicado a 19 de fevereiro na revista PLoS ONE.

Embora isto parece demonstrar que o cérebro usa as mesmas áreas sintáticas para processar notas musicais e palavras faladas, Limb disse que os mecanismos são mais complexos do que simplesmente pensar na música como uma linguagem universal.

"Durante os improvisos​​, as partes do cérebro que interpretam o significado da linguagem - semântica - estavam completamente desativadas", disse Limb. "Eu imaginei que haveria o envolvimento de áreas de linguagem durante a conversa musical espontânea, mas realmente não antecipei que a área semântica estivesse desativada dessa forma".

Isto pode sugerir que há uma diferença fundamental entre a forma como o cérebro processa o que significa a música e a linguagem. "A sintaxe tem mais a ver com a gramática e a estrutura da linguagem - basicamente as regras da linguagem", explicou Limb. 

"A semântica tem mais a ver com o significado das palavras. Assim, se a música tem semântica, não é processada da mesma forma que é tradicionalmente utilizada para a linguagem". Limb e seus colegas usaram a ressonância magnética funcional (fMRI) para monitorar a atividade do cérebro enquanto dois pianistas de jazz tocavam.

"Até agora, os estudos sobre a forma como o cérebro processa a comunicação auditiva entre dois indivíduos têm sido feitos apenas no contexto da linguagem falada", disse Limb. "Mas olhar para o jazz permite-nos investigar a base neurológica da comunicação interativa, musical, uma vez que ocorre fora da linguagem falada".

Os pesquisadores escolheram concentrar-se em músicos de jazz por causa de sua impressionante capacidade de inventar novas melodias em tempo real, particularmente como parte de um exercício conhecido como "quatro comerciais", quando os músicos participam em improvisos e trocas de estilo.

"Jazz é talvez um dos melhores modelos para estudar a criatividade espontânea", disse Limb. "Os músicos de jazz têm cérebros que são tão extraordinariamente capazes de improvisar, sendo uma rara oportunidade de vislumbrar o funcionamento interno do cérebro em ação".

Limb é ele próprio um músico, e tem-se interessado na relação entre música e linguagem. "Eu sou alguém que é músico e sempre amou a música profundamente, mas decidiu não ser músico. Tornei-me especialista em audição e cirurgião".

"Mas , a pesquisa no meu laboratório é sobre a compreensão de como somos capazes de realizar coisas musicais, como o cérebro é capaz de ouvir música, e outras áreas de alto nível de criatividade", disse Limb.

No mesmo âmbito de investigação, ele também está interessado em investigar se há diferenças entre crianças e adultos, ou entre amadores e profissionais. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário