Cérebros de cães e humanos são mais parecidos do que se pensava

0
Cérebros de cães e humanos são mais parecidos do que se pensava
Um estudo de mapeamento cerebral sem precedentes veio confirmar que, de facto, os cães são capazes de compreender o conteúdo emocional daquilo que lhes está a ser dito.

Esta não foi a primeira vez que os cães foram estudados através da utilização de um scanner de ressonância magnética. 

No ano passado, Gregory Burns analisou o núcleo caudado canino – uma região chave do cérebro partilhada por seres humanos e cães, que está associada com a antecipação de coisas que gostamos, como comida, amor e coisas materiais. 

Os scans de Burns conduziram à conclusão de que os cães são tão conscientes como crianças humanas. Outros estudos demonstraram a riqueza emocional da vida canina. [Cães têm emoções como os humanos, afirma uma nova pesquisa]

De facto, os cães podem expressar as suas emoções através de ações como sacudir a cauda (os cães abanam para a direita quando estão felizes, e para a esquerda quando estão estressados ou ansiosos).

Por outro lado, outros estudos também têm demonstrado que os seres humanos podem distinguir entre latidos alegres e tristes de um cão. Agora, nós sabemos que os cães podem entender a linguagem. [Cães e os seres humanos evoluíram juntos, sugere estudo]

Mas o que era um pouco incerto é se eles seriam ou não capazes de compreender o tom emocional do que lhes era dito. Uma experiência conduzida por Attila Andics descobriu a resposta a essa pergunta.

O novo estudo, publicado na revista Current Biology, é o primeiro a realizar uma análise neurológica comparativa entre seres humanos e uma espécie não primata. Após o treino extensivo (12 sessões) e uma dieta generosa, 11 cães foram preparados para a experiência.

Os cães foram treinados para ficarem completamente imóveis durante 8 minutos (duração de cada sessão) no scanner. Os cães receberam fones de ouvido por um lado para abafar o alto ruído que pode chegar a 95 decibéis, e por outro para receberem os 200 sons individuais necessários para a experiência.

Os sons foram usados ​​para ativar as partes do córtex auditivo dos cães – a parte do cérebro responsável pelo processamento de informações acústicas. Os sons incluíam ruídos ambientais, como sons de carros e apitos, sons humanos (mas não de palavras) e vocalizações caninas (como latidos).

De igual forma, os cérebros de 22 seres humanos foram digitalizados enquanto ouviam exatamente os mesmos sons. A análise dos exames mostrou que o pólo temporal – a região mais anterior do lobo temporal – era ativada quando os cães e os seres humanos ouviam vozes humanas.

Esta parte do cérebro – que se acreditava ser exclusiva dos seres humanos – processa sons, dando origem a respostas emocionais. Nos seres humanos, essa área é ativada quando as vozes são ouvidas. Mas agora parece que ela também se fica ativa nos cães.

Ao mesmo tempo, os sons humanos emocionais, como choro ou riso, ativaram uma área perto do córtex auditivo primário em ambas as espécies. As vocalizações caninas emocionalmente carregadas também causaram reações semelhantes entre os participantes.

Assim, e tendo em conta os resultados da excelente e inovadora investigação, os pesquisadores concluem que estudo sugere fortemente que os cães são muito bons em sintonizar os sentimentos dos seus donos. [io9]
Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)