Lesão cerebral transforma homem em génio da matemática

1
Um dos desenhos de Jason Padgett após adquirir a sua nova capacidade matemática.
Em 2002, dois homens atacaram brutalmente Jason Padgett à saída de um bar de karaoke, deixando-o com uma concussão grave e com transtorno de stress pós-traumático.

Mas o incidente também transformou Padgett num génio matemático que vê o mundo através da lente de geometria. [15 Fatos bizarros sobre o cérebro]

Padgett, um vendedor de móveis em Tacoma, Washington, tinha muito pouco interesse em termos académicos, mas desenvolveu a capacidade de visualizar objetos matemáticos complexos e conceitos da física intuitivamente.

A lesão, apesar de devastadora, parece ter desbloqueado a parte do seu cérebro que faz com que tudo no seu mundo pareça ter uma estrutura matemática. [O que é a Matemática?]

"Eu vejo as formas e ângulos em todos os lugares na vida real, desde a geometria de um arco-íris, até aos fractais na água a espiralar pelo ralo", disse Padgett em entrevista ao site Livescience. "É realmente muito bonito", acrescentou.

Padgett faz parte de um conjunto raro de indivíduos com síndrome de savant adquirido, em que uma pessoa normal desenvolve habilidades prodigiosas depois de uma lesão grave ou doença. Outras pessoas desenvolveram notáveis ​​habilidades musicais ou artísticas, mas poucas pessoas têm adquirido faculdades matemáticas.

Agora, os pesquisadores descobriram que partes do cérebro do homem foram religadas para permitir tais habilidades savant, e os resultados sugerem que tais habilidades podem permanecer latentes em todos os cérebros humanos.

Atingido pela genialidade


Antes da lesão, Padgett era um atleta que nunca tinha ido além da pré-álgebra nos seus estudos de matemática. Mas tudo isso mudaria a noite do seu ataque. Padgett lembra-se de ser nocauteado por uma fração de segundo e ver um flash de luz brilhante.

Dois caras começaram a espancá-lo, chutá-lo na cabeça, enquanto ele tentava ripostar. Mais tarde naquela noite, os médicos diagnosticaram a Padgett uma concussão grave e uma hemorragia num rim, tendo-o mandado para casa com medicamentos para a dor, disse ele.

Logo após o ataque, Padgett desenvolveu PTSD e ansiedade social debilitante. Mas, ao mesmo tempo, ele percebeu que tudo parecia diferente. Com a nova visão de Padgett veio uma capacidade matemática de desenho surpreendente.

Ele começou a desenhar círculos feitos de triângulos sobrepostos, o que o ajudou a entender o conceito do pi, a razão entre a circunferência de um círculo e o seu diâmetro. [O que é o Pi?] Não há tal coisa como um círculo perfeito, disse, porque ele sempre pode ver as bordas de um polígono que se aproxima do círculo.

Padgett não gosta do conceito de infinito, porque vê cada forma como uma construção finita de unidades cada vez menores que abordam o que os físicos se referem como o comprimento de Planck, pensado ser o comprimento mais curto mensurável.

Após a sua lesão, Padgett começou a desenhar formas geométricas complexas, mas ele não tinha o treino formal para entender as equações que representavam. Um dia, um físico viu-o a fazer esses desenhos num shopping, e pediu-lhe para prosseguir a formação matemática.

Agora Padgett é um estudante do segundo ano na faculdade e um físico teórico aspirante. As habilidades notáveis ​​de Padgett atraíram o interesse dos neurocientistas que queriam entender como ele as desenvolveu.

Mente brilhante


Berit Brogaard, professor de filosofia agora na Universidade de Miami, e seus colegas digitalizaram o cérebro de Padgett com ressonância magnética funcional (fMRI) para entender como ele adquiriu as suas habilidades savant e a sinestesia que lhe permite perceber fórmulas matemáticas como figuras geométricas.

A sinestesia é um fenómeno em que um sentido se mistura com outro. A ressonância magnética funcional mede as mudanças no fluxo de sangue e uso de oxigênio por todo o cérebro. Os exames mostraram atividade significativa no hemisfério esquerdo do cérebro de Padgett, onde as habilidades matemáticas residem.

O seu cérebro ativava mais fortemente no córtex parietal esquerdo, uma área atrás do topo da cabeça que é conhecido por integrar informações de diferentes sentidos. Houve também alguma ativação em partes de seu lobo temporal (envolvido na memória visual, processamento sensorial e emoção) e lobo frontal (envolvido na função executiva, planeamento e atenção).

Mas o fMRI só mostrou que áreas estavam ativas no cérebro de Padgett. A fim de mostrar se essas áreas particulares estavam a causar a sinestesia do homem, a equipa de Brogaard utilizou a estimulação magnética transcraniana (TMS), que envolve analisar o cérebro com um pulso magnético que ativa ou inibe uma região específica.

Quando eles estimularam eletricamente as partes do córtex parietal do Padgett que haviam mostrado maior atividade nos exames de ressonância magnética, a sinestesia desapareceu, de acordo com um estudo publicado em agosto de 2013 na revista Neurocase.

Brogaard mostrou, noutro estudo, que quando os neurónios morrem, libertam substâncias químicas cerebrais de sinalização que podem aumentar a atividade cerebral em áreas circunvizinhas. O aumento da atividade geralmente desaparece ao longo do tempo, mas às vezes isso resulta em mudanças estruturais que podem causar modificações.

Os cientistas não sabem se as mudanças no cérebro de Padgett são permanentes, mas se ele teve mudanças estruturais, é mais provável que suas habilidades estejam aqui para ficar, disse Brogaard em entrevista ao Livescience.

O sábio em todos nós


Então permanecem habilidades dormente em todos nós tal como estava em Padgett, à espera de serem descobertas? Ou havia algo único sobre o cérebro de Padgett?

Muito provavelmente, há algo latente em todos nós que nos permitam ter também estas habilidades. De fato, além de lesões na cabeça, a doença mental, também tem sido conhecida por revelar capacidades latentes.

Brogaard e outros têm feito estudos que sugerem que a estimulação elétrica do cérebro de pessoas normais usando TMS pode provocar temporariamente habilidades matemáticas e artísticas incomuns.

Ainda assim é sempre possível que as novas habilidades savant tenham contra partidas. No caso de Padgett, ele desenvolveu um transtorno de stress pós-traumático bastante grave, além de um transtorno obsessivo-compulsivo, e ainda tem dificuldade para aparecer em público. [Livescience]

Enviar um comentário

1Comentários
Enviar um comentário