O que é um planeta?

O que é um planeta?
Embora muitas pessoas podem apontar para uma imagem de Júpiter ou Saturno e chamá-lo de planeta, a definição desta palavra é muito mais subtil e mudou ao longo do tempo.

Muitos astrónomos decidiram criar uma nova definição, em 2006, após a descoberta de vários mundos à margem do sistema solar - uma decisão que permanece controversa.

A União Astronómica Internacional (IAU) definiu um planeta como um objeto que:


  • Orbita o Sol 
  • Tem massa suficiente para ser redondo ou quase redondo
  • Não é um satélite (lua) de outro objeto
  • Removeu detritos e pequenos objetos da área em torno da sua órbita


A IAU também criou uma nova classificação, "planeta anão", que é um objeto que atende aos critérios planetários, exceto no que toca ao ter removido o entulho da sua vizinhança orbital.

Esta definição significa que Plutão - considerado um planeta atualmente - foi rebaixado e reclassificado como um planeta anão. Mas nem todos os cientistas concordam com essa classificação.

História planetária


O termo "planeta" originalmente vem da palavra grega para "errante". Muitas culturas antigas observaram estas "estrelas móveis", mas só com o advento do telescópio em 1600 os astrónomos foram capazes de vê-los com mais detalhes.

Pequenos telescópios revelaram luas orbitando Júpiter - uma grande surpresa para Galileo Galilei (o descobridor provável) e seus adversários na Igreja Católica - assim como anéis em torno de Saturno e uma calota de gelo em Marte.

Os telescópios também revelaram a existência de objetos não conhecidos dos antigos, porque eles estão muito longe e são pequenos demais para serem vistos a olho nu. Úrano foi encontrado no dia 13 de março de 1781, pelo astrónomo William Herschel.

Ceres foi descoberto entre Marte e Júpiter em 1801. Ele foi originalmente classificado como um planeta, mas mais tarde percebeu-se que Ceres era o primeiro de uma classe de objetos chamados de asteróides. Neptuno foi descoberto em 1846.

Os astrónomos continuam vasculhando os confins do sistema solar em busca de um grande "Planeta X" que se acreditava estar a perturbar as órbitas de Úrano e Netpuno. Essas irregularidades foram posteriormente descontadas noutras observações.

Clyde Tombaugh encontrou um objeto menor em 1930, além da órbita de Neptuno. Chamado Plutão, o objeto (então chamado de planeta) era relativamente pequeno e tinha uma órbita altamente excêntrica que às vezes o colocava mais perto do Sol do que Neptuno.

Descoberta de mais mundos


Nada perto do tamanho de Plutão foi encontrado no sistema solar há mais de duas gerações. Isso mudou na década de 2000, quando Mike Brown - um jovem astrónomo do Instituto de Tecnologia da Califórnia - procurava um projeto de pesquisa que definisse buscas por objetos no sistema solar.

Em rápida sucessão, Brown e a sua equipa descobriram vários grandes objetos trans-neptunianos, ou corpos gelados além da órbita de Neptuno. Descobrir objetos gelados longe não era inesperado - a suposta Nuvem de Oort, o local de nascimento de cometas, deve ter trilhões de estas coisas.

Algumas das descobertas notáveis ​​de Brown incluíram Quaoar; Sedna; Haumea; Eris e a sua lua, Dysnomia; e Makemake. Todos foram encontrados num período relativamente curto de tempo, entre 2001 e 2005.

Com esta série de descobertas a União Astronómica Internacional passou dois anos a examinar as provas e convocou uma reunião geral em 2006, para votar sobre qual deveria ser a definição do que é um planeta.

Os delegados presentes votaram sobre uma definição que excluía Plutão, Eris e quaisquer outros objetos que estavam perto do mesmo tamanho. A nova designação de "planeta anão" diz respeito a um objeto em órbita do sol que é redondo, mas menor do que Mercúrio.

O objeto também pode estar numa área com vários outros objetos em órbita, como dentro do cinturão de asteróides. A IAU só aceitou cinco objetos como planeta anões até agora: Ceres, Plutão, Eris, Makemake e Haumea.

Mas há muitos outros objetos candidatos descobertos por Brown e outros astrónomos nos anos seguintes. Brown concordou com o rebaixamento de Eris a planeta anão, embora tenha reconhecido que outras pessoas sentiram-se emocionais com a perda de Plutão.

Anos após a votação, no entanto, ainda há cientistas que se referem a Plutão como um planeta. Por exemplo, a NASA publicou um vídeo no início de 2014 com vários oradores na Conferência de Ciência Plutão em julho de 2013, que repetidamente se refere ao mundo como um "planeta".

Além disso, pessoas como Alan Stern, da NASA apresentam regularmente os seus argumentos sobre por que Plutão ainda deve ser considerado um planeta, citando problemas com a definição da IAU, de os planetas nunca limparem totalmente a zona em torno deles.

A descoberta mais recente além da órbita de Plutão - 2012 VP113, apelidado de "Biden", anunciado no início de 2014 - mostra que a zona entre Plutão e a Nuvem de Oort pode ser preenchida com mais objetos como Sedna. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário