Humanidade faz aterragem histórica em cometa

Humanidade faz aterragem histórica em cometa

Pela primeira vez na história, uma espaçonave da Terra pousou na superfície de um cometa movendo-se a alta velocidade através do espaço profundo.


O lander Philae da Agência Espacial Europeia (ESA) deixou a sonda Rosetta para aterrar no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko hoje (12 de novembro).

Os controladores da missão ainda estão tentando determinar se os arpões de Philae dispararam corretamente para ancorá-la à superfície do cometa.

A aterragem terminou com aquilo a que alguns cientistas apelidaram de "sete horas de terror" - o tempo que levou a Philae para descer da Rosetta até ao cometa em pleno voo pelo espaço a cerca de 510 milhões de quilômetros da Terra.

Saiba mais: 5 fatos surpreendentes sobre a sonda Rosetta

As pessoas começaram a se abraçar, gritar e comemorar assim que os controladores da missão tiveram a confirmação de que o veículo tocou com sucesso a superfície do cometa. As autoridades estão agora a tentar determinar se precisam voltar a disparar arpões da sonda para ter certeza de que permanece no local de aterragem. Veja o video:



Desbloquear mistérios do cometa


A missão Rosetta pretende ajudar os cientistas a aprender mais sobre os cometas misteriosos que vagueiam gelados pelo espaço, sobrando desde a aurora dos bilhões de sistemas solares. Algumas pesquisas também sugerem que os cometas poderiam ser responsáveis por trazer água para a Terra no início da história do planeta.

O Philae conta com 10 instrumentos que irão monitorar o cometa 67P/CG a partir da sua superfície enquanto Rosetta orbita o cometa, investigando-o desde cima. Os cientistas esperam que Philae continue a coletar dados sobre o cometa, pelo menos até março de 2015. As duas sondas devem ser capazes de observar algumas mudanças no cometa que voa mais perto do sol.

Saiba mais: Sonda Rosetta faz história ao chegar a cometa (com videos)

A Rosetta deverá manter-se junto ao cometa até Dezembro de 2015, depois dele fazer o seu sobrevoo mais próximo ao sol em agosto de 2015. Apesar da aterragem do Philae marcar a primeira vez que os seres humanos pousaram em um cometa, esta não é a primeira vez que uma nave espacial visita um desses andarilhos cósmicos gelados.

Uma outra nave espacial da ESA chamada Giotto passou pelo Cometa Halley em 1986, e a missão Stardust da NASA recolheu amostras de um cometa em 2006. Os cientistas também usaram uma sonda para chocar com o cometa Tempel 1, a fim de aprender mais sobre a sua estrutura.

O longo caminho para um cometa


Foi uma longa viagem para a superfície do cometa. A missão Rosetta foi lançada em direção ao cometa 67P/CG em 2004 e viajou cerca de 4.000 milhões de milhas através do sistema solar antes de chegar ao cometa em agosto. Desde então, as duas espaçonaves foram aquecendo os seus instrumentos e a preparar-se para o pouso.

O núcleo do cometa 67P/CG é muito diferente do que os controladores da missão na Terra pensariam que fosse. Os pesquisadores esperavam encontrar um objeto semi-círcular, com forma regular, mas em vez disso encontraram um cometa de aparência estranha com um "corpo", uma "cabeça" e um "pescoço". Philae aterrou na cabeça do cometa.

Embora o cometa pareça ser bastante estável neste momento, é possível que ele possa romper-se, quando estiver a voar mais perto do sol. Os cometas são extremamente imprevisíveis, e 67P/CG não é uma exceção, de acordo com o cientista Matt Taylor, do projeto Rosetta.

Philae, Rosetta e o local de pouso, Agilkia foram todos nomeados com base em um tema egípcio. Rosetta foi nomeada devido à Pedra de Roseta, que ajudou os arqueólogos a traduzir hieróglifos egípcios antigos. Philae foi nomeado em honra a um obelisco encontrado em uma ilha do mesmo nome no rio Nilo, e Agilkia foi nomeado em honra de outra ilha no Nilo. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário