História da Natividade é verdade ou ficção?

História da Natividade é verdade ou ficção?

A história da Natividade faz parte da nossa cultura e está enraizada no folclore mundial. Mas será essa história verdadeira ou fruto de ficção?


Desde o nascimento de Jesus numa manjedoura até à Estrela de Belém, os detalhes clássicos da história da Natividade estão em toda parte.

Mas como podem esses detalhes estar tão enraizados na história?

"A minha opinião geral sobre este assunto, que é a opinião da maioria dos outros estudiosos da Bíblia, é que há muito pouco na história do Natal dos Evangelhos, historicamente confiável", diz Brent Landau, um erudito religioso na Universidade do Texas.

Mas outros argumentam que os estudiosos bíblicos atam a história do nascimento de Jesus a um padrão histórico impossível, e uma vez que Jesus era menor de idade (na época) e nasceu num povo Romano, é impressionante que exista alguma evidência da sua vida e morte.

Feliz Aniversário


A maioria dos estudiosos concorda que Jesus provavelmente não nasceu a 1 dC. Johannes Kepler tentou associar anomalias astronômicos à Estrela de Belém, a estrela nos Evangelhos que guiou os magos quando foram homenagear o menino Jesus.

Os seus cálculos associaram o nascimento de Jesus a 4 aC, mas isso está provavelmente errado tanto por razões históricas como astronômicas, diz a arqueóloga Judith Weingarten. Para Jesus nascer durante o reinado do rei Herodes, que governou a província da Judéia na época, o nascimento foi provavelmente mais próximo de 1 aC, afirma Weingarten.

Da mesma forma, quase ninguém pensa que 25 de dezembro foi o aniversário real de Jesus. A história da ressurreição de Jesus foi provavelmente muito mais importante para os cristãos primitivos do que a história da sua origem, até porque a data nem sequer aparecer em calendários até 336 dC.

De facto, algumas pistas bíblicas apontam para um nascimento um pouco distante do dia 25 de dezembro, como a ovelha estar fora nos campos - o que sugere que o clima teria sido mais quente, apontando para um nascimento algures durante a primavera, diz Witherington.

Estrela mágica


O Evangelho de Mateus descreve homens sábios, ou Magos, que vêm a Belém a partir do leste para homenagear o menino Jesus, "o rei dos judeus", com brindes, como incenso. No entanto, não há registros históricos que atestem tais viagens por qualquer Mago da época.

Durante 2.000 anos, inúmeras pessoas têm tentado encontrar anomalias astronômicas que correspondam à Estrela de Belém. Mas o movimento no céu de uma estrela específica não pode apontar para uma casa específica.

Além disso, não faz sentido que os Magos, que ostensivamente vinham de Jerusalém, teriam precisado de uma estrela para guiá-los para Belém, a apenas 10 milhas (ou 16 quilômetros) abaixo da estrada, disse Weingarten.

Ainda assim, a palavra "estrela" na altura teria mais significado do que temos atualmente atribuído a ela, disse Witherington. "A maioria dos povos antigos pensavam que as estrelas eram seres vivos, ou anjos", disse Witherington.

Então, se a história é lida como um ser vivo que aparece como uma esfera de luz, guiando os Magos, em seguida, os historiadores não devem tentar amarrar a estrela a um evento astronômico gravado, mas devem vê-lo mais como um fenômeno local milagroso, diz witherington.

Matança dos inocentes


Embora o rei Herodes fosse conhecido como um governante cruel e fratricida, nenhum historiador menciona a "matança dos inocentes", em que Herodes supostamente manda matar bebês com menos de 2 anos de idade em Belém.

Mas dado que Belém provavelmente tinha menos de 1.000 habitantes, é possível que a matança dos inocentes envolvesse apenas três ou quatro bebês, disse Witherington. Num mundo cheio de brutalidade e violência, certamente a morte de alguns bebês não iria para os livros de história.

Pais não casados


Os historiadores tendem a concordar que José e Maria eram casados na época da concepção de Jesus - um ponto-chave para aqueles que acreditam no nascimento virginal. Este detalhe é destaque em ambas as narrativas da infância, e, no entanto, teria sido um escândalo na época.

Isso sugere que havia histórias muito anteriores sobre o nascimento de Jesus ser "irregular", disse Landau. Embora alguns estudiosos bíblicos duvidem da veracidade dos Evangelhos, isso não significa que os escritores originais estavam a mentir, per se.

Os antigos teriam visto as narrativas do nascimento de Jesus como verdadeiras em um sentido mais amplo. Independentemente da forma como muitos dos detalhes são verdadeiras, as histórias ainda tem o poder hoje. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário