Descobertos 5 planetas quase tão antigos quanto o Universo

Descobertos 5 planetas quase tão antigos quanto o Universo

Cinco mundos rochosos alienígenas quase tão antigos quanto o próprio universo foram descobertos, em torno da estrela Kepler-444.


Os exoplanetas foram descobertos em torno de Kepler-444, uma estrela de 11,2 bilhões de anos aproximadamente 25 por cento menor do que o sol, que se encontra a 117 anos-luz da Terra.

Saiba mais: 7 maiores descobertas de planetas feitas pelo Kepler

Todos os planetas são do tamanho de Vênus, ou menores e, portanto, são rochosos, embora os cientistas não saibam mais nada sobre a sua composição.

Todos os planetas completam uma órbita em menos de 10 dias, o que significa que eles são quase certamente demasiado quentes para suportar a vida como a conhecemos. Mas Kepler-444 sugere a existência de outros sistemas planetários antigos que podem ser mais hospitaleiros.

"Agora sabemos que os planetas do tamanho da Terra têm-se formado ao longo de mais de 13,8 bilhões de anos da história do universo, o que poderá criar condições para a existência de vida antiga na galáxia", disse Tiago Campante, da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, em comunicado.

Para perspectiva, a Terra e tudo o resto no nosso próprio sistema solar formou-se há cerca de 4,6 bilhões de anos. Campante e seus colegas descobriram Kepler-444 e os seus cinco planetas depois de analisarem os dados recolhidos pelo telescópio espacial Kepler, da NASA.

O Kepler encontra planetas ao observar as pequenas quedas de brilho causadas quando eles cruzam o rosto da sua estrela-mãe a partir da perspectiva da espaçonave. O Kepler também pode captar a mudança no brilho causada por ondas sonoras dentro da estrela que afetam a sua temperatura e, assim, a sua luminosidade.

Estudar essas oscilações naturais - uma estratégia conhecida como Sismologia - pode ajudar os cientistas a determinar o tamanho de uma estrela, assim como a sua massa e até mesmo a possivel idade do astro.

"Quando Sismologia surgiram cerca de duas décadas atrás, só podemos usá-la no sol e algumas estrelas brilhantes, mas, graças ao Kepler, podemos agora aplicar a técnica a, literalmente, milhares de estrelas", disse Daniel Huber, da Universidade de Sydney, na Austrália.

"A sismologia permite-nos medir com precisão o raio de Kepler-444 e, portanto, os tamanhos doa seus planetas", acrescentou. "Para o menor planeta do sistema de Kepler-444, que é um pouco maior do que Mercúrio, medimos o seu tamanho com uma incerteza de apenas 100 quilômetros".

Kepler foi lançado em março de 2009, com o objetivo de ajudar os cientistas a determinar quão comuns são os planetas semelhantes à Terra ao longo da Via Láctea. A sonda descobriu mais de 1.000 explanetas até à data, com mais de 3.000 "candidatos" a aguardar ainda confirmação.

A missão original de Kepler terminou em Maio de 2013, mas os cientistas ainda estão a vasculhar o enorme conjunto de dados do instrumento em busca de novos resultados. Kepler lançou também uma nova missão chamada K2, que continua a busca por exoplanetas, mas também inclui observações de outros objetos e fenômenos cósmicos. O novo estudo foi publicado hoje (27 de janeiro) no The Astrophysical Journal. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário