Como seria viver em Marte?

Como seria viver em Marte?

A ideia do ser humano ir viver para Marte tem povoado a ficção científica desde o século 19, mas como seria viver em Marte?


O astrónomo americano Percival Lowell foi o primeiro a especular que os canais no Planeta Vermelho eram canais realmente antigos construídos por extraterrestres inteligentes.

Mas se esse sonho de ficção científica se tornasse realidade e fossemos capazes de ir viver para marte como seria essa experiência?

Em 1965, a sonda Mariner 4 da NASA completou o primeiro voo rasante marciano, e seis anos depois, a Mars Lander 3 da União Soviética tornou-se a primeira nave espacial a pousar suavemente em Marte.

Desde então, tem havido numerosas missões bem sucedidas ao Planeta Vermelho, incluindo a implantação de quatro sondas em Marte - a Sojourner, a Spirit, a Opportunity e a ainda a Curiosity. Há também a Mars Odyssey, que produziu um mapa de todo o planeta.

A NASA está agora a planear uma missão tripulada a Marte, que está prevista para 2030. Não se sabe onde os astronautas vão pousar em Marte para essa missão, mas tendo em vista uma futura colónia espacial marciana, provavelmente seria necessário uma base permanente em algum lugar nas latitudes norte mais baixas, afirma Ashwin Vasavada, cientista do projecto Mars Science Laboratory da NASA.

Tal como a Terra, Marte tem estações devido à inclinação do planeta sobre o seu eixo, mas também tem um efeito sazonal secundário por causa da sua órbita altamente elíptica. O hemisfério sul está apontado para longe do sol quando o planeta está mais distante dele, resultando em invernos muito frios e verões muito mais quentes do que no hemisfério norte.

Se você fosse viver para o hemisfério norte, você iria gozar de cerca de sete meses de primavera, seis meses de Verão, um pouco mais de cinco meses de outono e apenas cerca de quatro meses de inverno. (Um ano em Marte é cerca de 1,88 anos terrestres, e um dia dura um pouco mais de 24 horas.

A temperatura média em Marte é de menos 60 graus Celsius, mas pode variar de menos 126 graus no inverno perto dos pólos e 20 graus durante o verão perto do equador. As temperaturas também podem mudar drasticamente dentro de uma única semana. As variações de temperatura de Marte muitas vezes resultam em tempestades de poeira poderosas, que às vezes cobrem todo o planeta em apenas alguns dias.

Embora essas tempestades provavelmente não prejudicassem fisicamente as pessoas, a poeira poderia entupir a eletrónica e interferir com os instrumentos movidos a energia solar. Com apenas 1 por cento da densidade da atmosfera da Terra, a atmosfera marciana é grossa o suficiente para queimar meteoros menores do que bolas, sendo que seria improvável ser atingido por eles.

Você também não precisaria preocupar-se muito com a atividade vulcânica e tectónica, se vivesse em Marte. O problema principal e mais preocupante seria a radiação do espaço. Ao contrário da Terra, Marte não tem um campo magnético global e uma espessa atmosfera para proteger a sua superfície da radiação.

Se você fosse enviasse uma mensagem para a Terra, ela levaria uma média de 15 minutos a chegar. Embora não seja muito tempo, é definitivamente irritante o suficiente que ser difícil ter uma conversa via Skype com alguém. Em termos de clima, você poderia ver uma pequena nuvem ocasional ou a geada fria de manhã, porque o ar marciano contém baixos níveis de humidade.

Mas você não iria encontrar nenhuma nuvem de tempestade no céu ou gotas de chuva a bater no chão. Com este céu claro, a noite marciana está cheia de estrelas. Os astrónomos amadores iriam querer olhar para as luas de Marte, Phobos e Deimos, que poderia ser vistas ao mesmo tempo. Estes satélites, sendo ambos muito menores do que a nossa Lua, também poderiam eclipsar parcialmente o sol durante o dia.

O céu do dia geralmente tem uma coloração laranja por causa de toda a poeira. O nascer e pôr do sol seriam semelhantes aos da Terra em dias muito nebulosos, exceto que a área em torno do sol é azul. A superfície de Marte oferece até algumas grandes oportunidades para passeios turísticos. Se fôssemos colonizar Marte completamente, certamente alguns lugares dariam bons parques nacionais, afirma Vasavada.

Por exemplo, o Monte Olímpo é o vulcão mais alto do sistema solar, chegando a 25 quilómetros acima das planícies circundantes. Por outro lado, o Valles Marineris é um gigantesco sistema de vales. Seria também interessante visitar as sondas Viking e as enormes calotas polares de Marte, que às vezes formam quedas de neve de gelo seco.

Mas, com uma gravidade que é apenas 38 por cento da da Terra, mover-se por Marte seria inicialmente um desafio. Correr e fazer movimentos rápidos, provavelmente, necessitaria de um pouco de aprendizagem, acredita Vasavada. Ainda assim, seria melhor do que se mover sobre a superfície da Lua. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário