A realidade não existe até ser medida, confirma experiência quântica

A realidade não existe até ser medida, confirma experiência quântica

Cientistas confirmaram as previsões bizarras da física quântica sobre a natureza da realidade, provando que a realidade não existe até ser medida.



Isso pode parecer um pouco complexo e bizarro, mas a experiência levanta uma questão muito simples: se você tem um objeto que pode agir como uma partícula ou como uma onda, em que ponto esse objeto decide ser particula ou onda'?

Nossa lógica geralmente se supõe que o objeto é ou onda ou partícula pela sua própria natureza, e as nossas medições não afetam em nada essa natureza. Mas a teoria quântica prevê que o resultado depende de como o objeto é medido. E isso foi exatamente o que uma equipa da Universidade Nacional da Austrália descobriu.

Os cientistas provaram que a medição afeta essa mesma realidade. Ao nível quântico, a realidade não existe enquanto não for observada, afirma o investigador e físico Andrew Truscott em comunicado de imprensa.

Conhecido como experência da escolha de pensamento atrasada de John Wheeler, a experiência foi proposta pela primeira vez em 1978 usando feixes de luz devolvidos por espelhos, mas naquela época, a tecnologia necessária era praticamente impossível. Agora, quase 40 anos depois, a equipa australiana conseguiu recriar a experiência usando átomos de hélio espalhados pela luz laser.

Para recriar com sucesso a experiência, a equipa prendeu um grupo de átomos de hélio num estado suspenso conhecido como condensado de Bose-Einstein, e, em seguida, ejetaram-nos todos até que sobrasse apenas um único átomo.

Este átomo escolhido foi, em seguida, lançado através de um par de feixes de laser, que produziu um padrão de grade que agiu como uma encruzilhada que dispersou o caminho do átomo, assim como uma grade sólida que iria dispersar a luz. Eles então adicionaram aleatoriamente uma segunda grade que recombinou os caminhos, mas só depois do átomo ter passado a primeira grade.

Quando esta segunda grade foi adicionada, o átomo sofreria a interferência construtiva ou destrutiva, que é o que se esperaria se o átomo tivesse viajado tanto como uma onda ou como um átomo. Mas quando a segunda grelha foi adicionada, não se observou qualquer interferência.

O facto de esta segunda grelha só ter sido adicionada depois do átomo passar através da primeira grelha sugere que o átomo não tinha ainda determinado a sua natureza, antes de ser medido uma segunda vez. Isto significa que uma medição futura estava a afetar o caminho do átomo, explicou Truscott.

"Os átomos não viajam de A para B. Foi só quando eles foram medidos no final da viagem que o seu comportamento ondulatório ou de partícula foi trazido à existência", disse ele. Apesar de tudo isso soar incrivelmente estranho, é realmente apenas uma validação para a teoria quântica que já governa o mundo do muito pequeno.

Usando esta teoria, nós conseguimos desenvolver coisas como LEDs, lasers e chips de computador, mas, até agora, tem sido difícil confirmar de que forma esse mundo funciona. Os resultados completos desta incrível descoberta foram publicados na revista científica Nature Physics.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

3 comentários:

  1. These messages should be more often read by people.

    ResponderEliminar
  2. A pesquisa identificou quase 200 elípticas compactas anteriormente desconhecidas. Para surpresa dos pesquisadores, no entanto, 11 delas eram completamente isoladas no espaço intergaláctico. Além disso, as elípticas isoladas estavam se movendo muito mais rápido do que suas irmãs ligadas a aglomerados.

    ResponderEliminar