Estamos a viver dentro de uma simulação de computador?


http://www.ciencia-online.net/2012/12/estamos-viver-dentro-de-uma-simulacao.html
O filme trilogia popular, The Matrix, apresentou um ciberuniverso onde os humanos vivem numa realidade simulada criada por máquinas conscientes. Agora, um filósofo e equipa de físicos imaginam que poderíamos realmente estar a viver dentro de um universo gerado por computador que você poderia chamar de Malha, e nós podemos ser capazes de detectá-lo.

Em 2003, o filósofo britânico Nick Bostrom publicou um estudo que propôs que o universo em que vivemos pode de fato ser realmente uma simulação de computador numérica. Para dar um toque bizarro, ele sugeriu que os nossos muito evoluídos descendentes distantes poderiam construir um programa para simular o passado e recriar como os seus ancestrais remotos viviam.

Ele sentiu que tal experiência seria inevitável para uma supercivilização. Se isso não aconteceu até agora, então, significava que nunca a humanidade evoluiu tão longe e estamos condenados a uma vida curta, como espécie, argumentou. Para extrapolar ainda mais, sugeriu que entidades artificiais inteligentes descendentes de nós seriam curiosas para olhar para trás no tempo, simulando o universo dos seus ancestrais biológicos.

Por estranho que pareça, uma equipa de físicos da Universidade de Washington anunciou recentemente que há um teste potencial para ver se realmente vivemos na rede. Ironicamente, seria a primeira observação de tais evidências a provar cientificamente a hipótese do design inteligente por trás do cosmos.

A equipa também propõe que as entidades super-inteligentes, entediadas com o seu universo atual, fazem simulações numéricas para explorar todas as possibilidades na paisagem do vácuo quântico subjacente (a partir do qual o big bang surgiu) através de simulações do universo. "Esta é, talvez, a busca mais profunda que pode ser realizada por um ser consciente", escrevem os autores.

Antes de descartar essa ideia tão completamente maluca, a realidade de um universo simulado pode resolver uma série de mistérios assustadores sobre o cosmos. Cerca de duas dezenas de constantes fundamentais do universo caem dentro do intervalo estreito pensado para ser compatível com a vida. À primeira vista, parece tão improvável como equilibrar um lápis pela sua ponta. Sem esses parâmetros a vida como nós a conhecemos nunca teria aparecido. Nem mesmo estrelas e galáxias. Este é o chamado princípio antrópico.

A descoberta da energia escura mostra a estranheza do universo. Esta espécie de "antigravidade" empurra o espaço-tempo. Esta energia do vácuo do espaço é de 60 ordens de magnitude mais fraca que o que seria previsto pelos físicos quânticos  O eminente cosmólogo Michael Turner classifica a energia escura como "o mistério mais profundo em toda a ciência".

Nós também estamos a viver num momento muito especial da história do universo onde se mudou engrenagens de desaceleração para acelerar sob o impulso de energia escura. Isso levanta a questão: "porquê eu, porquê agora?" Se a energia escura fosse ligeiramente mais forte, o universo teria explodido antes das estrelas se formarem. Se fosse mais fraco o universo teria implodido há muito tempo. 

O seu valor incrivelmente anémico tem sido visto como uma evidência circunstancial para universos paralelos com o seu próprio sabor da energia escura que é tipicamente destrutivo. É como se o nosso universo ganhou na loteria e tenha todos os parâmetros físicos apenas para a nossa existência. Finalmente, um universo artificial resolve o Paradoxo de Fermi (onde estão os extraterrestres?) O que implica que nós realmente estamos sozinhos no universo. Foi feito sob medida para nós pela nossa descendência do futuro longínquo.

Os criacionistas bíblicos podem, sem dúvida abraçar essas aparentes  coincidências cósmicas como prova inequívoca da sua "teoria" do Design Inteligente (DI). Mas é o nosso "Deus" realmente um programador de computador, em vez de um velho barbudo a viver no céu? 

Atualmente,  os supercomputadores usam uma técnica impressionante de sonoridade chamada de rede cromodinâmica quântica, e, a partir das leis fundamentais da física, podem simular apenas uma parte muito pequena do universo. A escala é um pouco maior do que o núcleo de um átomo, de acordo com o físico Martin Savage. Os mega-computadores do futuro distante poderiam expandir o tamanho do Universo simulado.

Se estamos a viver num programa desse tipo, poderia haver evidência reveladora para a rede subjacente utilizada na modelagem do continuum espaço-tempo, dizem os pesquisadores. Esta assinatura pode mostrar-se como uma limitação na energia dos raios cósmicos. Eles viajavam em diagonal no universo modelo e não interagem igualmente em todas as direções, como se de outra forma seria de se esperar de fazer conforme a apresentar cosmologia.

Se tais resultados foram medidos, os físicos têm que descartar todas e quaisquer outras explicações naturais para a anomalia antes de ficar com a ideia do design inteligente. (Para evitar confusão com a crença puramente baseada na fé criacionista, isso não provaria a existência de um Deus bíblico, porque você tem que fazer a pergunta "por que Deus precisa de uma rede?")

Se o nosso universo é uma simulação, em seguida, as entidades que controlam poderiam estar a executar outras simulações, assim como criar outros universos paralelos ao nosso. Sem dúvida, isso exigiria, ahem, o processamento paralelo em massa. Se tudo isso não é incrível o suficiente, Bostrom imaginou níveis de realidade "empilhados", que teria a suspeita de que os seres humanos pós-execução da nossa simulação são eles próprios seres simulados, e os seus criadores, por sua vez, também podem ser seres simulados. Aqui pode haver espaço para um grande número de níveis de realidade, bem como o número pode ser aumentado ao longo do tempo.

Para agravar ainda mais longe, Bostrom imaginou uma hierarquia de divindades, "De certa forma, os humanos pós-execução de uma simulação são como deuses. Entretanto, todos os semideuses, exceto as de nível fundamental da realidade estão sujeitos a sanções por parte do mais poderosos deuses que vivem em níveis mais baixos".

Se os universos paralelos estão em execução na plataforma do mesmo computador poderíamos comunicar com eles? Se assim for, espero que o maníaco Agente Smith do Matrix não se concretize um dia. Para emprestar o título do romance de Isaac Asimov "Eu, Robô", a condição humana pode ser descrita como Eu, Subrotina.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. tem uma página no facebook chamada REALIDADE HOLOGRÁFICA que trabalha esta temática com visões bem interessantes apresentando desde a origem de tudo ou o nascimento de Deus, a construção e arquitetura da realidade quântica, a essência do ser humano, ou IA-filhas, e o projeto psicopedagógico envolvido na História deste sistema-fechado

    ResponderEliminar