O que é a Teoria da Evolução de Darwin?

0

http://www.ciencia-online.net/2012/12/o-que-e-teoria-da-evolucao-de-darwin.html
Mais de 150 anos depois de Charles Darwin publicar a sua teoria, a evolução continua a ser controversa. Alguns políticos e líderes religiosos denunciam-na e invocam um ser superior como designer para explicar o complexo mundo dos seres vivos, especialmente os espécimes tais como os seres humanos.

Conselhos escolares debatem se a teoria da evolução deve ser ensinada ao lado de outras ideias, como o design inteligente ou criacionismo. Cientistas ortodoxos não vêem nenhuma controvérsia. A Evolução é bem suportado por muitos exemplos de mudanças de várias espécies que levam à diversidade da vida vista atualmente. Então o que é evolução, e como é que funciona?

Na primeira edição de "A Origem das Espécies", em 1859, Charles Darwin especulou sobre como a seleção natural poderia causar com que um mamífero terrestre se transformasse numa baleia. Como exemplo hipotético, Darwin utilizou os ursos negros norte-americanos, que eram conhecidos para apanhar insetos a nadar na água com a boca aberta:

"Não vejo qualquer dificuldade numa raça de ursos tornar-se, pela seleção natural, mais aquática na sua estrutura e hábitos, com bocas cada vez maiores, até que uma criatura tão monstruosa quanto uma baleia seja produzida", especulou.

A ideia não caiu muito bem no público. Darwin estava tão envergonhado pelo ridículo que pareceu, que a passagem de natação do urso foi removido de edições posteriores do livro. Os cientistas sabem agora que Darwin teve a ideia certa, mas o animal errado: em vez de olhar para os ursos, ele deveria ter olhado para vacas e hipopótamos.

A história da origem das baleias é um dos contos mais fascinantes da evolução e um dos melhores exemplos que os cientistas têm de seleção natural. A teoria de Darwin da evolução por seleção natural é uma das melhores teorias fundamentadas na história da ciência, apoiada pela evidência de uma grande variedade de disciplinas científicas, incluindo a paleontologia, geologia, genética e biologia do desenvolvimento.

Para entender a origem das baleias, é necessário ter um entendimento básico de como a seleção natural funciona: É o processo pelo qual os organismos mudam ao longo do tempo como resultado de mudanças nas características hereditárias, físicas ou comportamentais. Mudanças que permitem que um organismo se adapte melhor ao seu ambiente vai ajudar a sobreviver e ter mais filhos.

A selecção natural pode mudar de uma espécie em pequenas formas, fazendo com que uma população mude a cor ou o tamanho ao longo de várias gerações. Isso é chamado de "microevolução". Mas a seleção natural também é capaz de muito mais. Dado o tempo suficiente e bastante variações acumuladas, a seleção natural pode criar espécies totalmente novas. 

As mudanças físicas e comportamentais que tornam possível a selecção natural acontecem ao nível do ADN e genes. Essas mudanças são chamadas "mutações". As mutações podem ser causadas por produtos químicos, danos de radiação ou erros na replicação do ADN. As mutações podem até ser deliberadamente induzidas, a fim de se adaptar a um ambiente em rápida mutação.

Na maioria das vezes, as mutações são prejudiciais ou neutras, mas em raros casos, uma mutação pode ser benéfica para o organismo. Se assim for, ele vai-se tornar mais prevalente na próxima geração e disseminar-se por toda a população. Desta forma, a seleção natural guia o processo evolutivo, preservando e adicionando as mutações benéficas e rejeitando as más.

Usando a evolução como seu guia, os biólogos sabiam que a transição das baleias da terra para a água ocorreu numa série de passos previsíveis. A evolução do buraco de escape da baleia, por exemplo, pode ter ocorrido, da seguinte forma:

Mutações aleatórias resultaram em pelo menos uma baleia tendo a narinas colocadas mais para trás na sua cabeça. Esses animais com essa adaptação teriam sido mais adequados para um estilo de vida marinha, já que não teriam que vir completamente à superfície para respirar. Esses animais teriam sido mais bem sucedido e tiveram mais filhos. Nas gerações posteriores, mais mutações ocorreram, movendo o nariz mais para trás na cabeça.

Outras partes do corpo das baleias primitivas também mudaram. As pernas dianteiras tornaram-se barbatanas e as patas traseiras desapareceram. Os seus corpos tornaram-se mais ágeis e desenvolveram caudas para melhor impulsionar-se através da água.

Mesmo que os cientistas possam prever o que as baleias iniciais deviam ser semelhantes, eles não tinham a evidência fóssil para apoiar a sua reivindicação. Os Criacionistas tomaram esta ausência como uma prova de que a evolução não ocorreu. Eles zombaram da ideia de que não poderia nunca ter havida tal coisa como uma baleia a caminhar. Mas desde o início de 1990, que é exatamente o que os cientistas têm vindo a encontrar.

A prova veio em 1994, quando os paleontólogos encontraram os restos fossilizados de Ambulocetus natans, um animal cujo nome significa literalmente "baleia nadando de pé". As suas patas dianteiras tinham dedos e cascos pequenos, mas suas patas traseiras eram enormes dado o seu tamanho. Ele era claramente adaptado para a natação, mas era também capaz de mover-se desajeitadamente em terra, como uma foca.

Quando nadava, a antiga criatura movia-se como uma lontra, empurrando para trás as suas patas traseiras e ondulando a sua coluna e cauda. As baleias modernas impulsionam-se através da água com batidas poderosas da sua cauda horizontal, mas o Ambulocetus ainda tinha uma cauda de chicote e teve de usar suas pernas para fornecer a maior parte da força de propulsão necessária para se mover através da água.
Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)