A dor do Bullying dura até à idade adulta

A dor do Bullying dura até à idade adulta

As crianças não superam facilmente a dor do bullying, de acordo com um novo estudo que descobriu que as pessoas vítimas de bullying enquanto crianças são menos mentalmente saudáveis como adultos.


O estudo é um dos primeiros a estabelecer a longo prazo, os efeitos do bullying na infância, que ainda é muitas vezes considerado uma parte normal do crescimento. Estudos anteriores descobriram que tanto os agressores como as vítimas estão em maior risco de problemas de saúde mental e outras lutas na infância. 

Um estudo, apresentado em 2010 durante a Convenção Anual da Associação Americana de Psicologia, descobriu que os agressores (bullies) estavam em maior risco de consumir substâncias, ter problemas de ansiedade, depressão, abuso e hostilidade.

Para as vítimas da intimidação, ser o alvo pode resultar num aumento do risco de suicídio, depressão, mau desempenho escolar e baixa auto-estima. Mas a maioria dos estudos sobre os efeitos do bullying foca-se no período da infância.

William Copeland e seus colegas, da Universidade de Duke, usaram dados de um estudo iniciado há 20 anos, que questionou 1.420 crianças e seus pais sobre saúde mental geral aos 9 anos, 11 ou 13. As crianças foram avaliadas anualmente até aos 16 anos, e depois voltaram para acompanhamento nas idades 19, 21 e 25.

Antes dos 16 anos, os participantes foram questionados se tinham sido intimidados ou intimidavam outros, com que frequência, e onde ocorreu, entre outras questões. Cinco por cento das crianças, ou 112, foram apenas provocadores, e 21,6%, ou 335 crianças, eram vítimas puras. Outro 4,5% foram agressores e vítimas simultaneamente.

Os pesquisadores, então, olharam para os resultados de saúde mental de cada grupo na idade adulta jovem, e controlaram fatores da infância, tais como condições pré-existentes de saúde mental, luta com a vida doméstica e os níveis de ansiedade na infância.

Eles descobriram que qualquer envolvimento em bullying tinha impacto na idade adulta. Os agressores não mostraram problemas com o funcionamento emocional, enquanto adultos, o que não é surpreendente, dado que tinham todo o poder nas suas relações de infância.

Mas mostraram aumento do risco de desenvolvimento de transtorno de personalidade anti-social. As pessoas com este transtorno têm pouca empatia e poucos escrúpulos em manipular os outros para seu próprio ganho. A perturbação está relacionada com um maior risco de se tornar criminoso.

As vítimas, por outro lado, estavam em maior risco de depressão, ansiedade, ataques de pânico e agorafobia do que as crianças não envolvidos em bullying, descobriram os pesquisadores. Pior situação eram os simultaneamente agressores e vítimas, que estavam em maior risco para todos os transtornos depressivos e de ansiedade existentes.

De acordo com estes resultados, os pesquisadores acreditam ser possível que o tormento na escola não seja tão diferente de maus tratos ou abusos em casa. As crianças passam muito tempo na escola e rodeados dos seus pares, sendo que não é surpreendente que os problemas possam ter consequências duradouras.

O próximo passo para os pesquisadores é investigar o que faz com que algumas crianças vítimas de bullying mais resistente sejam mais capazes de se recuperar na idade adulta do que outros. Os investigadores relataram os seus resultados online a 20 de fevereiro na revista JAMA Psychiatry.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Publicar um comentário