5 mitos sobre mulheres e ciência

5 mitos sobre raparigas e ciência


"A aula de matemática é difícil!" afirma a Barbie adolescente numa fala que promove estereótipos infelizes que sugerem que as meninas, matemática e ciência simplesmente não se misturam. 

A pesquisa tem derrubado muitos desses mitos, mas a luta para conseguir mulheres em áreas da ciência, tecnologia, engenharia e matemática, continua. 

Conheça aqui alguns mitos totalmente infundados e desatualizados do ponto de vista cultural e social associados à relação entre os campos científicos e as mulheres.

Mito 1: As meninas não estão interessadas

Mito 1: A partir do momento que começar a escola, a maioria das meninas estão menos interessadas ​​em ciência que os meninos.

Realidade: Na escola primária tanto as meninas como os meninos têm atitudes positivas em relação à ciência. Um estudo recente mostrou que 66% das raparigas e 68% dos rapazes relataram gostar de ciência. 

Mas algo começa a acontecer na escola primária. No segundo grau, quando os alunos (meninos e meninas) são convidados a desenhar um cientista, a maioria retrata um homem de bata branca. Qualquer cientista mulher que desenhem parece grave e não muito feliz. 

A persistência dos estereótipos começa a transformar as meninas, e, na oitava série, os meninos estão duas vezes mais interessados ​​em carreiras científicas do que as meninas. O atrito feminino continua ao longo do ensino médio, da faculdade e até mesmo no trabalho. 

Mito 2: Desmotivar os meninos

Mito 2: intervenções em sala de aula que trabalham para aumentar o interesse das meninas em áreas científicas corre o risco de desmotivar os meninos.

Realidade: Na verdade, os educadores descobriram que as intervenções que trabalham para aumentar o interesse das meninas em ciência também aumentar esse interesse entre os meninos na sala de aula. 

Quando às meninas são mostradas imagens de mulheres cientistas e dado um maior senso de possibilidade sobre a pessoa em que poderiam tornar-se, os meninos também entendem a mensagem - "Eu posso fazer isso!"

Mito 3: Viés está acabado

Mito 3: Professores de ciência e matemática não são mais inclinados para os estudantes do género masculino.

Realidade: Na verdade, os preconceitos são persistentes e os professores muitas vezes interagem mais com meninos do que com meninas em ciências e matemática. Um professor, muitas vezes, ajuda um menino de fazer uma experiência, explicando como fazê-lo, ao passo que quando uma menina pede ajuda ao professor ele faz a experiência, deixando a garota assistir ao invés de a fazer.

Mito 4: Não há nada que possamos fazer

Mito 4: Quando as meninas simplesmente não estão interessados ​​em ciência, os pais não podem fazer muito para motivá-las.

Realidade: o apoio dos pais (assim como dos professores) tem-se mostrado fundamental para o interesse de uma menina em ciência, tecnologia, engenharia e matemática. Tornar as meninas conscientes da gama de carreiras em ciências e engenharia disponíveis e a sua relevância para a sociedade ajuda a atrair mais mulheres (assim como homens).

Mito 5: É inato

Mito 5: Os críticos de programas para aumentar o interesse das mulheres em campos científicos muitas vezes argumentam que as mulheres já nascem em desvantagem. Afirma, por exemplo, que as mulheres são piores em raciocínio espacial do que os homens, entre outras fraquezas.

Realidade: Embora as diferenças de género não apareçam nos testes padronizados, isso não significa que elas sejam inatas. A diferença na habilidade espacial, por exemplo, desaparece em culturas onde as mulheres são dominantes e é mais forte nas culturas patriarcais. 

Isso sugere que a educação, a experiência, o estereótipo e o incentivo dos pais ajudam a moldar as diferenças que muitas vezes são rotuladas como inatas. Além disso, os países com maiores lacunas na igualdade de género também mostram grandes disparidades de género no desempenho de matemática em comparação com os países mais iguais, de acordo com um estudo de 2009.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. 66% das raparigas

    raparigas? kkkk

    ResponderEliminar
  2. Difícil mesmo é padronizar estes mitos e comparar com a realidade que se moderniza diariamente.

    ResponderEliminar