Vulcão ativo descoberto sob camada de gelo da Antártida

Vulcão ativo descoberto sob camada de gelo da Antártida
Terremotos profundos abaixo do oeste da Antártida revelaram um vulcão ativo escondido sob a camada de gelo maciço, disseram pesquisadores ontem (17 de novembro), num estudo publicado na revista Nature Geoscience.

A descoberta confirma as suspeitas de longa data de atividade vulcânica escondida pela grande camada de gelo da Antártida Ocidental. 

Vários vulcões situam-se ao longo da costa da Antártida e suas ilhas, como o Monte Erebus, mas esta é a primeira vez que alguém detectou magma em ação muito longe da costa.

"Esta é realmente a idade de ouro da descoberta do continente antártico", disse Richard Aster, um co -autor do estudo e um sismólogo da Colorado State University. "Eu acho que não há dúvida de que há mais surpresas vulcânica sob o gelo". O projeto de pesquisa, chamado POLENET, tinha a intenção de revelar a estrutura do manto terrestre, a camada abaixo da crosta. 

Em 2010, uma equipa liderada por cientistas da Universidade de Washington passou semanas na neve, puxando trenós carregados de equipamentos de monitoramento de terremotos. Na sua pesquisa detetaram dois terremotos de alta profundidade. "É uma história emocionante", disse Amanda Lough, principal autora do estudo e sismologa da Universidade de Washington. 

Embora não houvesse sinais de uma explosão, o bojo de 3.200 metros de altura sob o gelo sugere que o vulcão tinha explodido para fora lava no passado, formando um pico de brotamento. Os cientistas pensam que o magma subterrâneo e os fluidos abrem novos caminhos e fraturam a rocha causando profundos terremotos de longo período. 

Muitos vulcões ativos nas Ilhas Aleutas, no Alasca frequentemente produzem estes enxames de terremotos profundos, sem quaisquer sinais de erupção iminente. Se o vulcão entrasse em erupção na Antártida, ele iria derreter a parte inferior da camada de gelo imediatamente acima da abertura. 

Os cientistas não têm certeza do que iria acontecer. Na Islândia, erupções vulcânicas podem derreter icebergs, causando grandes inundações chamadas jökulhlaups. Mas o gelo acima do vulcão da Antártida tem mais do que um quilómetro de espessura.

Seria preciso uma super-erupção no estilo de explosões antigas de Yellowstone para derreter completamente o gelo acima do vulcão ativo, calcularam os pesquisadores. E se o vulcão sob o gelo é semelhante aqueles por perto, como o Monte Sidley, não há risco de uma super-erupção. 

Em vez disso, os milhões de litros de água de degelo podem simplesmente acelerar o fluxo da corrente de gelo MacAyeal nas proximidades em direção ao mar. Sinais de vulcões ativos e extintos aparecem sobre a Antártida. Camadas de cinzas e lava indicam que vulcões jorraram enquanto o continente congelou durante os últimos 20 milhões de anos. 

Os terremotos detectados sugerem que a atividade vulcânica está lentamente a migrar para o sul 9,6 km a cada milhão de anos. Esta migração é perpendicular ao movimento de placas tectónicas da Antártida, sendo que não é um hotspot ou pluma do manto que está a alimentar os vulcões.

Enquanto a crosta rasgada pode parecer a melhor explicação para muitos vulcões da Antártida, muitos dos picos não cabem em nenhum padrão óbvio. Rifteamento e o vulcanismo na Antártida poderia ser como em nenhum outro lugar na Terra. Mas o que está a acontecer com a crosta na Antártida ainda é intrigante, afirmam os cientistas. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. I’m thoroughly enjoying your blog. I too am an aspiring blog writer but I’m still new to the whole thing. Do you have any helpful hints for newbie blog writers?

    ResponderEliminar
  2. Thanks for your post! It's been a long time since I read a good article and such a meaning! I hope you will continue to write articles like these for hobbyists! Good luck!
    happy wheels

    ResponderEliminar