Os Incas: História do Império dos Andes

Machu Pichu, um dos marcos históricos dos Incas
O Império Inca foi um vasto império que floresceu na região andina da América do Sul a partir do século 15 AC até à sua conquista pelos espanhóis na década de 1530. Mesmo após a conquista, os líderes incas continuaram a resistir aos espanhóis até 1572, quando a sua última cidade, Vilcabamba, foi capturada.

Os incas construíram o seu império sem a roda, sem poderosos animais de tração, sem ferro, moeda ou até mesmo o que nós consideramos ser um sistema de escrita. Um dos mais famosos sítios arqueológicos sobreviventes da civilização Inca é Machu Picchu, que foi construída como um refúgio para um imperador inca.

Os incas chamavam ao seu império Tawantinsuyu, a "Terra dos Quatro Cantos", e a sua língua oficial é o quíchua. O império foi dividido em quatro "suyu", que se cruzaram na capital, Cuzco. Estes, por sua vez, foram divididos em províncias. Até ao momento da conquista espanhola, boa parte do Império Inca era formado por numerosos grupos não-incas.

O império atingiu o seu pico após as conquistas do imperador Huayna Capac, que reinou de 1493 até por volta de 1527, quando morreu de varíola. No seu auge, o império estendia-se desde a fronteira do Equador e da Colômbia até cerca de 80 km a sul de Santiago, no Chile, ocupando uma vasta área de 775 mil quilómetros quadrados, sendo que a sua população era tão de cerca de 12 milhões de pessoas.

Para apoiar este império, um sistema de estradas estendia-se por quase 40.000 km (cerca de três vezes o diâmetro da Terra). Quando os espanhóis conquistaram o Império Inca, eles ficaram impressionados com o que viram. "As cidades incas eram tão grandes quanto as da Europa, mas mais ordenadas e muito mais limpas e agradáveis ​​para se viver", escreve Gordon McEwan da Wagner College, no seu livro "Os Incas: Novas Perspectivas" (ABC- CLIO, 2006). O autor também nota que os sistemas de estradas e aquedutos que os espanhóis encontraram nos Andes eram superiores aos da Europa .

Origens incas

O Império Inca teve origem na cidade de Cuzco, no que é hoje o sul do Peru. Parece ter começado como um pequeno estado local até que rapidamente se expandiu para um vasto império durante o século 15. As origens dos Incas são obscuras, mas McEwan aponta que, em tempos pré-Incas, Cuzco foi localizado num ponto de ligação entre dois impérios anteriores, um chamado de Wari e outro baseado na cidade de Tiwanaku. Esta localização central deu ao Incas uma série de vantagens quando foram capazes de se expandir.

A tapeçaria Inca ainda hoje é fomentada nos Andes


A história oral Inca, registada pelos espanhóis, sugere que a expansão do Inca começou a sério durante o reinado do imperador Pachacuti, que reinou entre 1438-1471. As tradições orais dizem que ele se tornou imperador depois de parar uma invasão a Cuzco, que estava a ser realizada por um grupo rival chamado Chancas. Posteriormente, ele trabalhou para expandir o território dos Incas, estendendo a sua influência para além da região de Cuzco.

Nesse processo os Incas tentaram fazer com que os seus rivais se rendessem à conquista militar de forma pacífica. Eles usavam diplomacia, negociando as relações com os vizinhos ou com as pessoas que eram alvos de incorporação no seu território em expansão, e tentaram elaborar relações amigáveis ​​através de trocas de presentes, trocas conjugais, ou alianças políticas. Quando isso falhava, eles ameaçavam as pessoas com a conquista militar.

Embora os Incas não desenvolvesse algo que pudesse ser considerado um sistema formal de escrita, eles fizeram uso de dispositivos de gravação, sendo o mais conhecido o quipu, um cabo com cordas suspensas. Embora os estudiosos modernos não sejam capazes de lê-los, sabe-se que teriam sido usados para a criação de registos, tais como censos.

Cuzco

A capital Inca, Cuzco, foi reconstruída por Pachacuti, que supostamente arrasou a cidade completamente para que pudesse ser reconstruída na forma de um puma. O animal foi representado de perfil, com os blocos residenciais da cidade a formar o seu corpo, a grande fortaleza ou um templo complexo na colina acima de Cuzco representa a sua cabeça, e a confluência dos rios Tullu e Saphi representavam a cauda. Entre a frente e as patas traseiras do puma estavam localizadas as duas grandes praças de Cuzco, onde as rodovias para os quatro territórios imperiais, chamados suyus, convergiam.

Segundo McEwan, os plebeus não tinham permissão para viver na cidade e tinham que residir nos assentamentos periféricos. Talvez o maior santuário religioso em Cuzco era um templo do sol chamado de "Coricancha". O cronista espanhol Bernabé Cobo escreveu (em tradução): "Este templo foi chamado Coricancha, que significa "casa de ouro", por causa da riqueza incomparável deste metal que foi incorporado nas capelas do templo e na parede, tectos e altares".

A presença de ouro levou os espanhóis a saquear completamente a cidade, mas Cobo fez um registo que foi dedicado ao deus Sol Inti com outras divindades incas também sendo homenageado no templo. Após os espanhóis conquistarem Cuzco, eles construíram uma nova cidade, em seu lugar, que sobrevive até aos dias atuais.

Religião Inca e Sacrificios

O panteão Inca teve uma série de deuses que, segundo McEwan, incluía o criador deus Viracocha, o deus sol Inti, o deus do trovão Illapa, e a deusa da terra e a mãe deusa Pachamama, entre outros. Havia também divindades regionais adoradas por pessoas conquistadas pelos Incas. McEwan observa que os deuses incas pudiam ser honrados de muitas formas, incluindo orações, jejum e sacrifício de animais, mas a forma mais poderosa era a de sacrifício humano, tipicamente de crianças e adolescentes.


Em 1999, os arqueólogos descobriram as múmias de três crianças que tinham sido deixadas como sacrifícios num santuário perto do cume de um vulcão na Argentina. Uma adolescente a quem se chamou de "a donzela " parece ter sido o sacrifício principal com os outros dois, um menino e uma menina, a ser os seus assistentes. Uma pesquisa recente revelou que, no ano antes do seu sacrifício, os três consumiram uma dieta especial rica em milho e carne de lhama e foram drogados com folhas de coca e álcool.

Alimentação e mumificação

A mumificação dos indivíduos era uma parte importante dos ritos funerários Inca, mesmo para aqueles que eram plebeus. Após a conquista espanhola, um homem chamado Guaman Poma, que falava quíchua e era nativo dos Andes, publicou uma crónica que descreveu novembro como sendo o "mês de transportar os mortos", numa época em que as pessoas iriam tentar alimentar as múmias dos seus antepassados.

A donzela é o sacrificio humano Inca mais mediático


"Neste mês eles levam os seus mortos para fora dos seus depósitos que são chamados pucullo e dão-lhes comida e bebida e vestem-nos com as suas roupas mais ricas... e eles cantam e dançam com eles... e andam com eles de casa em casa e nas ruas e na praça". Embora as múmias de plebeus só fossem alimentadas em ocasiões especiais, as da realeza recebiam as suas próprias refeições especialmente preparadas [incluindo cerveja de milho] numa base diária.

Alimentos e festa

O milho e a carne eram geralmente considerados o alimento de elite dos Incas e foram consumidos pela "donzela" e seus assistentes no ano antes de serem sacrificados. Além desses produtos alimentares de elite, outros bens consumidos na dieta Inca incluíam batata doce, quinoa, feijão e pimenta.

Em troca do trabalho, era esperado que o governo Inca fornecesse festas para as pessoas em certas épocas do ano, funcionando como uma forma de pagamento numa sociedade que não tinha moeda. As exigências de reciprocidade ditavam que as grandes festas fossem realizadas em diferentes épocas do ano, em várias partes do império para assegurar a cooperação e a boa vontade em todos os níveis.

A economia centralizada

O aspecto mais incomum da economia Inca era a falta de um sistema de mercado e dinheiro, afirma McEwan, sendo que, com apenas algumas exceções, não havia comerciantes no Império Inca. A cada cidadão do império eram suprimidas as necessidades da vida pelo estado, incluindo alimentos, ferramentas, matérias-primas e roupas, sendo que não precisavam de comprar nada.

Não havia lojas ou mercados, nota McEwan e, como tal, não havia necessidade de uma moeda padrão ou de dinheiro, e não havia nenhum lugar para gastar o dinheiro ou comprar fosse o que fosse pois estavam suprimidas as necessidades.

Arte e arquitetura

Objetos feitos de ouro e prata sobrevivem do Império Inca, mas os exemplos mais marcantes da arte Inca eram os seus têxteis. O pano, acima de tudo, era especialmente valorizada pelos incas e representa a sua maior realização artística. A confecção têxtil era popular entre as culturas andinas, e os Inca não foram excepção.

McEwan observa que os Incas cresciam algodão, lã tosquiada e usavam teares para criar tecidos elaborados. A melhor série de pano era chamado cumpi, sendo reservada ao imperador e à nobreza. Feito de alpaca ou lã de vicunha e algodão, ou às vezes materiais mais exóticos, como cabelos ou morcego beija-flor, era um tecido de tapeçaria decorada com complexos desenhos multicoloridos, escreve ele.

Um legado duradouro

Hoje, muitas das tradições dos Incas ainda permanecem vivas nos Andes. A confecção têxtil ainda é popular, os alimentos que comem são consumidos em todo o mundo, os sítios arqueológicos, como Machu Picchu são atrações turísticas populares e até mesmo a sua língua oficial, Quechua, ainda é amplamente falada.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário