Memória: Definição e tipos

Memória: Definição e tipos

Para podermos recordar acontecimentos ou fatos temos a guardá-los na memória.


O processo de formação de uma memória envolve codificação, armazenamento, retenção e subsequente recordação das informações e experiências anteriores.

A psicóloga cognitiva Margaret W. Matlin descreveu a memória como o "processo de retenção de informações ao longo do tempo". Outros já a definiram como a capacidade de usar as experiências passadas para determinar o caminho futuro.

Quando as pessoas são convidadas a definir memória, a maioria pensa em estudar para um teste ou recordar onde colocamos as chaves do carro. No entanto, a memória é essencial na nossa vida quotidiana. Nós não seríamos capazes de funcionar no presente, ou avançar, sem memória.

Como se formam as memórias


O processo de codificação de uma memória começa quando nascemos e ocorre de forma contínua. Para algo se tornar uma memória, deve primeiro ser obtido por um ou mais dos nossos sentidos. A memória começa no armazenamento de curto prazo. [Porque as nossas memórias só começam aos três anos de idade?]

Uma vez que temos o processo armazenado e reforçado ele vai para a nossa memória de longo prazo, sendo que podemos passar a fazer um comportamento sem pensar conscientemente sobre as etapas envolvidas (como por exemplo atar os sapatos).

As memórias importantes tipicamente passam da memória de curto prazo para a memória a longo prazo. A transferência de informação para a memória de longo prazo para um armazenamento mais permanente pode ser feita em várias etapas.

A informação pode ser passada para a memória de longo prazo através da repetição - como estudar para uma prova - ou da sua associação a outros conhecimentos anteriormente adquiridos, como quando usamos mnemónicas.

A motivação é também uma consideração, em que a informação relacionada a algo que você tem um grande interesse tem mais chances de ser armazenado na sua memória de longo prazo. É por isso que alguém pode ser capaz de recordar as estatísticas de um jogador de futebol anos depois dele se aposentar.

Nós geralmente não somos conscientes do que está na nossa memória até que precisamos de a usar. Aí nós usamos o processo de recuperação para trazê-la à consciência. Mais uma vez, grande parte desta recordação acontece sem nos concentrarmos sobre ela - especialmente com tarefas comuns, como atar sapatos - mas existem outros tipos de memórias que implicam mais esforço.

A perda de memória é frequentemente associada ao envelhecimento, mas há uma série de coisas que podem desencadear a perda de memória de curto e longo prazo, incluindo lesão, medicamentos e testemunho de um evento traumático. [Perda de memória de curto prazo: Causas, sintomas e tratamento]

Tipos de memória


Embora os especialistas tenham diferentes definições para a memória de curto prazo, é geralmente descrita como a lembrança de coisas que aconteceram imediatamente, ou até alguns dias. Acredita-se geralmente que entre 5 e 9 itens podem ser armazenados na memória ativa a curto prazo e podem ser facilmente recuperados.

Pacientes que sofrem de perda de memória de curto prazo não se conseguem lembrar de quem entrou no quarto cinco minutos antes, mas podem lembrar-se do seu amigo de infância de há 50 anos atrás. [Perda de memória associada a proteína]

A memória implícita é muitas vezes referida como a memória inconsciente ou automática. A memória implícita utiliza experiências passadas para lembrar as coisas sem pensar sobre elas. Os músicos e atletas profissionais dizem ter capacidade superior para formar memórias processuais.

A memória de procedimento, que é um subconjunto da memória implícita, é uma parte da memória de longo prazo responsável por saber como fazer as coisas, também conhecidas como habilidades motoras. Você não tem que se esforçar para lembrar como andar cada vez que você dá um passo.

Enquanto a memória implícita requer pouco ou nenhum esforço para lembrar, a memória explícita - por vezes referida como a memória declarativa - requer um esforço mais concentrado para trazer à superfície as recordações. A memória declarativa envolve tanto a memória semântica como a episódica.

A memória semântica não está ligada à experiência pessoal. A memória semântica inclui coisas que são do conhecimento comum, tais como os nomes dos países, os sons das letras, as capitais dos países e outros fatos básicos. [Memória semântica: Definições e exemplos]

A memória episódica diz respeito a lembranças únicas de uma pessoa acerca de um evento específico, ou um episódio. As pessoas geralmente são capazes de associar determinados detalhes a uma memória episódica, como o que sentiram, o tempo e lugar, além de outros elementos. [Memória episódica: Definições e exemplos]

Não está claro porque motivo algumas memórias de acontecimentos nas nossas vidas estão guardados, enquanto outros não se registam, mas os pesquisadores acreditam que as emoções desempenham um papel crítico naquilo que somos capazes de nos lembramos. [Livescience]

Sugestões do editor:

PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário