Planeta Mercúrio está a encolher

Planeta Mercúrio está a encolher
A superfície de Mercúrio está a encolher mais rapidamente do que se pensava, revelam fotos de uma sonda da NASA em órbita do minúsculo planeta.

A primeira pesquisa abrangente da superfície de Mercúrio pela sonda MESSENGER da NASA mostra que a crosta do planeta contraiu enquanto esfriou em até 7 quilómetros, significativamente mais do que as estimativas anteriores.

Os resultados esclarecem um confronto de longa data entre a compreensão dos cientistas da produção de calor e da sua perda e contração de Mercúrio.

"Estes novos resultados resolvem um paradoxo de décadas entre os modelos de história térmicas e estimativas de contrações de Mercúrio", disse o principal autor do estudo Paul Byrne da Instituição Carnegie para a Ciência.

A superfície de Mercúrio é composta por apenas uma placa continental que cobre todo o planeta. O seu enorme núcleo de ferro, estimado em cerca de 4.040 km de diâmetro, deixa apenas 420 quilómetros para um manto e crosta - uma pele extremamente fina para o menor planeta do sistema solar.

Em comparação, o manto da Terra tem cerca de 2.900 km de espessura, enquanto a crosta acima tem em média 40 km) de espessura. E como se isso não fosse o suficiente para Mercúrio, o pequeno planeta está a encolher ainda mais.

Ao longo dos bilhões de anos desde a sua formação no momento do nascimento do sistema solar, o planeta esfriou lentamente, um processo que todos os planetas sofrem se não têm uma fonte interna de calor de renovação.

Como o núcleo de ferro líquido solidifica, esfria, e o volume global de Mercúrio encolhe. Quando a missão Mariner 10 da NASA circundou o planeta na década de 1970, capturou imagens de características de superfície criados pelo encolhimento.

A contração do planeta empurrou a crosta para cima e sobre si, formando escarpas que podem estender-se quilómetros abaixo da superfície do planeta. Ao mesmo tempo, a superfície de encolhimento causou com que a crosta se enrugasse sobre si, formando cumes rugosos.

Byrne e a sua equipa usaram a sonda MESSENGER da NASA para identificar 5.934 cumes e escarpas criados pela contração do planeta. Isto criou uma amostra substancialmente maior do que os recolhidos pela sonda Mariner 10, que apenas observou 45 por cento da superfície.

A sonda MESSENGER foi lançada em 2004 e está atualmente no meio de uma missão prolongada em torno de Mercúrio, tendo sido capaz de mapear toda a sua superfície. As escarpas e cumes rugosos identificados pela Mariner 10 permitiram aos cientistas estimar que o planeta tinha perdido cerca de 1 a 2 km, no raio global.

Tal descoberta contrastava com a compreensão da perda de calor que o planeta sofreu ao longo do tempo. As descobertas de Byrne de uma contração de até 7 km encaixa muito melhor com os modelos atuais. O trabalho de Byrne foi publicado on-line a 16 de março na revista Nature Geoscience. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário