Antigo Mosteiro de Petra foi construído para medir o Sol

0
Antigo Mosteiro de Petra foi construído para medir o Sol

Adicione o Mosteiro em Petra aos monumentos que, provavelmente, os humanos construíram para fins astronómicos.


Uma nova pesquisa sugere que os arquitetos antigos acompanhavam o movimento do sol e construíram o centro religioso com o solstício de inverno em mente. [6 Tributos antigos ao Solstício de Inverno]

Quando a Terra atinge o seu ponto mais distante do sol, a luz do sol brilha no mosteiro - que está localizado em Petra, na Jordânia - e cai em cima do pódio de uma divindade.

Ao mesmo tempo, a luz lança a sombra da cabeça de um leão (um animal sagrado na cultura Nabateana) em cima de uma montanha em frente ao centro religioso.

A estrutura na antiga Arábia é apenas um dos vários templos palácios e túmulos nabateus, no qual os cientistas realizaram uma análise estatística. Os nabateus floresceram no que é hoje a Jordânia, e países vizinhos, entre o século 1 AC e o século 1 DC.

"Os monumentos nabateus são laboratórios onde maravilhosas características da paisagem e eventos do sol, da lua e outras estrelas interagem", disse Juan Antonio Belmonte, pesquisador do Instituto de Astrofísica das Canárias e coordenador do estudo.

"As orientações astronómicas eram muitas vezes parte de um plano elaborado e, possivelmente, um sinal da natureza astral da sua religião, que mostra incríveis 'hierofanias', ou manifestações do sagrado em monumentos relacionados aos tempos de culto e adoração", acrescentou.

Outra estrutura importante, o Túmulo Urn, tem um portão principal centrado com o pôr do sol do equinócio, quando os raios solares a partir dos solstícios de verão e inverno brilham nas esquinas interiores do edifício. [Solstício de Inverno explicado]

Em 446 DC, quando a estrutura foi convertida em igreja, os cientistas disseram que os locais utilizaram os marcadores de solstício para honrar a véspera de Natal (24 de dezembro) e do nascimento de São João Batista (24 de junho), nos solstícios de inverno e verão, respectivamente.

"Este conjunto surpreendente de três alinhamentos dentro do plano do túmulo, em combinação com recursos significativos no horizonte distante, dificilmente pode ser atribuído ao acaso", acrescentou Belmonte. 

"Consideramos que é uma tentativa deliberada de converter o salão do Túmulo Urn num tipo de dispositivo de manutenção de tempo", concluiu o pesquisador.

Os resultados foram publicados no Nexus Network Journal e incluem a participação do Instituto de Astrofísica das Canárias, o Conselho Nacional de Pesquisa espanhol e a Universidade de Perugia, em Itália. [Livescience]

Recomendado pelo editor:

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)