Cientistas regeneram órgão vivo pela primeira vez

0
Cientistas regeneram órgão vivo pela primeira vez
Ficar mais velho enquanto ser humano é uma droga, porque as coisas não mantêm as suas propriedades e funções que tinham durante a juventude. 

Vários produtos procuram remediar a aparência estética do envelhecimento através de cremes de rugas e tintas de cabelo, mas nada podia ser feito nos órgãos internos, até agora.

Um novo estudo conduzido por Clare Blackburn, da Universidade de Edimburgo, mostrou a capacidade de regenerar um timo pela primeira vez.


O timo está localizado logo acima do coração e é o órgão responsável pelo amadurecimento de timócitos em vários linfócitos T, também conhecidos como células T. Estas células desempenham funções críticas no sistema imunológico. [O corpo humano: anatomia, fatos e funções]

No nascimento, o timo é relativamente grande quando comparado com o coração. Ao longo do tempo, o timo começa a diminuir em tamanho e função. Na idade adulta, o timo é cerca de 25 a 30% menor do que era na puberdade.

A equipa de Blackburn descobriu que existe um mecanismo natural responsável pelo processo de envelhecimento do timo. A proteína sintetizada no timo, Foxn1, regula a expressão de genes do órgão.

Quando quantidades adicionais de Foxn1 foram adicionadas no timo, os pesquisadores conseguiram influenciar diretamente as células-tronco. Essas células-tronco foram instruídas a reconstruir o timo, rejuvenescendo-o a um estado anterior e jovem.

Embora a equipa mostrasse que foi possível ampliar o timo, eles não notaram um aumento na produção de células T ou qualquer efeito sobre o sistema imunológico. Agora que eles sabem os detalhes técnicas, estudos futuros irão investigar se a reconstrução do timo cria uma mudança na função do sistema imunológico. [Sistema imunitário: Fatos, Funções e Doença]

Se bem sucedida, esta técnica poderia ser usada em seres humanos, facto que poderia ajudar a proteger os idosos, que são mais suscetíveis a doenças como a gripe. Além disso, esta técnica poderia ajudar as pessoas diagnosticadas com síndrome de DiGeorge.

Entre outros sintomas, as pessoas com essa doença não nascem com um timo completamente formado ou funcional. Não há atualmente nenhuma cura para a doença, que ocorre em cerca de 1 em cada 4.000 nascimentos. [10 estranhas condições médicas que você desconhece]

"Os nossos resultados sugerem que a segmentação da mesma via em humanos pode melhorar a função do timo e, portanto, aumentar a imunidade em pacientes idosos, ou naqueles com um sistema imunitário suprimido", afirmou Blackburn num comunicado de imprensa.

"No entanto, antes de testar isso em humanos, precisamos realizar mais testes para garantir que o processo pode ser bem controlado", concluiu a pesquisadora. [Iflscience]

Recomendado pelo editor:

Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)