Sistema imunitário: Fatos, Funções e Doença


http://www.ciencia-online.net/2013/02/sistema-imunitario-doencas-disturbios-e.html
O trabalho do sistema imunitário - que é um conjunto de estruturas e processos dentro do corpo - é proteger contra doenças ou outros corpos estranhos potencialmente prejudiciais. Quando funciona corretamente, o sistema imunitário identifica uma variedade de ameaças, incluindo vírus, bactérias e parasitas, distinguindo-os do tecido saudável do próprio corpo.

Os principais componentes do sistema imunitário incluem os gânglios linfáticos, que são pequenas estruturas, em forma de feijão, que produzem e armazenam células que combatem a infecção e a doença, fazendo parte do sistema linfático - que consiste na medula óssea, baço, timo, e nódulos linfáticos. 

Os gânglios linfáticos também contêm linfa, o líquido claro que leva essas células para as diferentes partes do corpo. Quando o corpo está a lutar contra a infecção, os gânglios linfáticos podem alargar e sentir dor. O baço, que também faz parte dos sistema imunitário, sendo o maior órgão linfático do corpo, contém células brancas do sangue que combatem a infecção ou doença. O baço também ajuda a controlar a quantidade de sangue no corpo e dispõe de células sanguíneas velhas ou danificadas.


Outro componente do sistema imunitário é a medula, o tecido amarelo no centro dos ossos que produz células brancas do sangue, incluindo linfócitos. Estes pequenos glóbulos brancos desempenham um grande papel na defesa do organismo contra a doença. Os dois tipos de linfócitos são as células B, que produzem anticorpos que atacam as bactérias e toxinas, e as células-T, que ajudam a destruir as células infectadas ou cancerosas. 

http://www.ciencia-online.net/2013/02/sistema-imunitario-doencas-disturbios-e.html
As células T assassinas são um sub-grupo das células T, que matam as células que estão infectadas com vírus e outros patógenos, ou danificadas. As células T auxiliares ajudam a determinar quais as respostas imunológicas do corpo para um determinado patógeno. Outro orgão envolvido no sistema imunitário é o Timo, onde as células T amadurecem. 

Um componente importante no sistema imunitário são os leucócitos. Estas células brancas do sangue identificam e eliminam os patógenos. Os leucócitos inatos incluem os fagócitos (macrófagos, neutrófilos, e células dendríticas), mastócitos, eosinófilos, basófilos e células assassinas naturais.

Distúrbios no sistema imunitário podem resultar em doenças auto-imunes, doenças inflamatórias e até cancro. A imunodeficiência ocorre quando o sistema imunitário não é tão forte como o normal, resultando em infecções recorrentes e com risco para a vida. Em humanos, a imunodeficiência pode ser o resultado de uma doença genética, tal como a imunodeficiência combinada grave, ou de condições adquiridas, tais como o VIH/SIDA, ou também através da utilização de imunossupressores.

Na extremidade oposta do espectro, a auto-imunidade resulta de um sistema imunitário hiperactivo que ataca tecidos normais como se fossem corpos estranhos. Doenças comuns auto-imunes incluem a tiróidite de Hashimoto, a artrite reumatóide, a diabetes mellitus tipo 1 e o lúpus eritematoso sistémico.

A asma e as alergias também envolvem o sistema imunitário. Um material normalmente inofensivas, como pêlos são confundidos com uma ameaça grave e atacadas. Embora os sintomas das doenças imunológicas possam variar, a febre e a fadiga são sinais comuns de que o sistema imunológico não está a funcionar corretamente.

Alguns marcos da história da imunologia:

1718: Lady Mary Wortley Montagu, esposa do embaixador britânico em Constantinopla, observou os efeitos positivos da varíola - a infecção deliberada com a doença da varíola - sobre a população nativa e executou a técnica nos seus próprios filhos.

1796: Edward Jenner foi o primeiro a demonstrar a vacina contra a varíola.

1840: Jakob Henle estendeu a primeira proposta moderna da teoria do germe da doença.

1857-1870: O papel dos micróbios na fermentação foi confirmado por Louis Pasteur.

1880-1881: A teoria de que a virulência bacteriana pode ser utilizada como vacina foi desenvolvida. Louis Pasteur pôs a teoria em prática. A 5 de maio de 1881, Pasteur vacinou 24 ovelhas, uma cabra, e seis vacas com cinco gotas de o bacilo do antrax vivo atenuado.

1885: Aos 9 anos, Joseph Meister havia sido mordido por um cão raivoso e foi injetado com a vacina da raiva atenuada por Pasteur, tornando-se no primeiro ser humano a sobreviver à raiva.

1903: Maurice Arthus descreve a reacção alérgica localizada chamada de resposta Arthus.

1949: John Enders, Thomas Weller e Frederick Robbins fazem experiências com o crescimento do vírus da poliomielite em cultura de tecidos, neutralizando-o com soro imune, e demonstrando a atenuação de neurovirulência com a passagem repetitiva.

1951: Vacina contra a febre amarela foi desenvolvida.

1983: O HIV foi descoberto por Luc Montagnier.

1986: A vacina da hepatite B foi produzida por engenharia genética.

2005: Ian Frazer desenvolveu a vacina do papiloma humano.


Saiba Mais: Sistema Muscular
                   Sistema Endócrino
                   Sistema Linfático
                   Sistema Urinário

                   Pele
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário