O que é o Paradoxo de Fermi?

0
O que é o Paradoxo de Fermi?

O Paradoxo de Fermi procura responder à questão acerca de onde os aliens estão.


Tendo em conta que a nossa estrela e a Terra são parte de um sistema planetário jovem em comparação com o resto do universo - e que a viagem interestelar pode ser bastante fácil de conseguir - a teoria diz que a Terra deveria há ter sido visitada por alienígenas.

Como a história conta, Enrico Fermi (um físico italiano) surgiu pela primeira vez com a teoria numa observação casual num almoço em 1950. As implicações, no entanto, colocaram os pesquisadores à procura de extraterrestres nas décadas subsequentes.

"Fermi percebeu que qualquer civilização com uma modesta quantia de tecnologia de foguetes e uma quantidade indecente de incentivo imperial poderia colonizar rapidamente toda a galáxia", diz o SETI no seu site.

"Dentro de dez milhões de anos cada sistema estelar poderia estar sob a asa do império. Dez milhões de anos pode parecer muito tempo, mas na verdade é muito pouco em comparação com a idade da galáxia, que tem cerca de dez mil milhões de anos. A colonização do Via Láctea deve ser um exercício rápido", acrescentou o instituto de pesquisa extraterrestre (SETI).

Planetas abundantes


É verdade que o universo é incrivelmente grande e velho. Uma estimativa diz que o universo estende-se por 92 bilhões de anos-luz de diâmetro (a crescer mais e mais rápido). Medições separadas indicam que tem cerca de 13.820 milhões de anos-luz de idade. [Qual a idade do universo?]

À primeira vista, isso daria a civilizações alienígenas tempo de sobra para se propagar, mas, em seguida, eles teriam uma barreira de distância cósmica para cruzar antes de ir para muito longe no espaço. O grande número de planetas que temos encontrado fora do nosso sistema solar, no entanto, indica que a vida pode ser abundante.

Um estudo novembro 2013 usando dados do telescópio espacial Kepler sugeriu que um em cada cinco estrelas como o sol tem um planeta do tamanho da Terra orbitando na região habitável de sua estrela, a zona onde seria possível a água líquida. [Planetas habitáveis do tamanho da Terra são comuns no universo]

Essa zona não é necessariamente uma indicação de vida, sendo que outros fatores, tais como a atmosfera do planeta, entram em jogo. Além disso, a "vida" poderia abranger qualquer coisa, desde bactérias a naves estelares de extraterrestres.

Poucos meses depois, os cientistas do Kepler divulgaram uma "bonança planetária" de 715 mundos recém-descobertos. [NASA descobre 715 novos mundos e duplica população de planetas conhecidos (com video)]

No entanto, o nosso entendimento da astrobiologia (a vida no universo) está apenas no começo. Um desafio é que esses exoplanetas estão tão longe que é quase impossível para nós enviar uma sonda para olhar para eles.

Outro obstáculo está mesmo dentro do nosso próprio sistema solar. Nós não eliminamos todos os possíveis locais para a vida. Sabemos ao olhar para a Terra que os micróbios podem sobreviver em temperaturas e ambientes extremos, dando origem a teorias de que poderíamos encontrar vida do tipo microbiano em Marte, a lua Europa de Júpiter, ou talvez Enceladus ou Titã de Saturno.

Tudo isso junto significa que, mesmo dentro da nossa própria Via Láctea - o equivalente à vizinhança cósmica - não deve haver muitos planetas do tamanho da Terra em zonas habitáveis ​​que poderiam abrigar vida.

Vida: abundante ou rara?


As chances de vida inteligente são estimadas pela equação de Drake, que procura descobrir o número de civilizações na Via Láctea que buscam comunicar-se entre si. Nas palavras do SETI , a equação (escrito como N = R* • fp • ne • fl • fi • fc • L) tem as seguintes variáveis:

  • N = número de civilizações na galáxia Via Láctea cujas emissões eletromagnéticas são detectáveis.
  • R* = A taxa de formação de estrelas apropriadas para o desenvolvimento de vida inteligente.
  • fp = A fração dessas estrelas com sistemas planetários.
  • ne = O número de planetas, por sistema solar, com um ambiente adequado para a vida.
  • fl = A fração de planetas adequados em que a vida realmente aparece.
  • fi = A fração de vida em planetas onde a vida inteligente emerge.
  • fc = A fração de civilizações que desenvolvem uma tecnologia que libera sinais detectáveis ​​da sua existência para o espaço.
  • L = o período de tempo em que tais civilizações libertam sinais detectáveis para o espaço.


Nenhum desses valores é conhecido com certeza atualmente, facto que torna difícil as previsões dos astrobiólogos relativamente a comunicadores extraterrestres semelhantes. Há outra possibilidade que amortece a busca de sinais de rádio ou naves alienígenas: a de que não há vida no universo além da nossa própria.

Enquanto o Frank Drake, do SETI, e outros sugeriram que poderia haver 10.000 civilizações que procuram comunicações na galáxia, um estudo de 2011 publicado mais tarde na revista Proceedings of the National Academy of Sciences sugeriu que a Terra poderia ser um pássaro raro entre os planetas.

Outras explicações para o paradoxo de Fermi incluem a "espionagem" feita por extraterrestres na Terra, ignorando-nos por completo, assim como a crença de terem visitado a Terra antes que a civilização surgisse, ou visitando-nos de uma forma que não podemos detectar. [Space]

Recomendado pelo editor:

Temas

Enviar um comentário

0Comentários
Enviar um comentário (0)