Cientistas criam pequenos estômagos humanos em laboratório

Cientistas criam pequenos estômagos humanos em laboratório

Cientistas conseguiram criar pequenos estômagos humanos em laboratório que poderão ajudar a entender melhor como o estômago se desenvolve.


Eles podem ser pequenos, mas os estômagos humanos em miniatura cultivados em laboratório podem um dia ajudar os pesquisadores a entender melhor como o estômago se desenvolve, assim como as doenças que podem atacá-lo.


Usando células-tronco humanas e uma série de chaves químicas, os pesquisadores produziram estômagos medindo 0,1 polegadas (três milímetros) de diâmetro, em laboratório, de acordo com um relatório publicado a 29 de outubro na revista Nature.

Produzir um estômago diminuto teve os seus obstáculos. Não há muita informação sobre como o estômago se forma durante o desenvolvimento embrionário, de modo que os pesquisadores tiveram que confiar em pesquisa básica, assim como em tentativa e erro.

Além disso, a capacidade de produzir qualquer órgão tridimensional num laboratório é um desenvolvimento relativamente recente. Outros pesquisadores têm produzido amostras planas de tecido gástrico, mas poucos tinham saltado com sucesso para o território 3D.

Tecnicamente, os pequenos estômagos não são órgãos, mas organóides: estruturas em 3 dimensões em miniatura de um órgão. Eles levaram apenas cerca de um mês para serem produzidos.


Esses organóides gástricos vão permitir às pessoas para fazer experiências que nunca foram capazes de ser feitas antes, afirmam os pesquisadores. 

O experimento começou com células-tronco pluripotentes humanas, que podem se tornar qualquer célula do corpo humano se forem dadas as instruções químicas certas.

Os pesquisadores usaram dois tipos de células-tronco - um grupo derivado de um embrião humano e o outro derivado de células da pele de humanos adultos, usando uma técnica que ganhou o Prêmio Nobel de Medicina em 2012.

Os investigadores utilizaram produtos químicos para solicitar às células da endoderme que criassem uma camada plana de células que se formam mais cedo durante o desenvolvimento embrionário.

Neste ponto, as células ainda poderiam tornar-se outras células, incluindo aqueles que constituem o fígado, pâncreas, pulmões ou estômago. Então, os pesquisadores adicionaram mais dois sinais de proteínas, para contar as células e formarem uma estrutura tubular tridimensional chamado de intestino anterior.

Os pesquisadores descreveram os organóides como estruturas ocas ovais com interior que possuem dobras, como as de um estômago regular. Outros cientistas que trabalham na medicina regenerativa consideram o desenvolvimento como um grande avanço na pesquisa gástrico.

Os organóides podem ajudar os pesquisadores a saber mais sobre as doenças de estômago e sobre o seu desenvolvimento. De igual forma, poderá ajudar a estudar os efeitos de uma bactéria chamada Helicobacter pylori.

Esta bactéria causa doença gástrica em cerca de 10 por cento das pessoas em todo o mundo, e tem sido associada com condições de úlceras estomacais e câncer gástrico.

A pesquisa com animais não acabou por ser uma boa maneira de estudar os efeitos do H. pylori em pessoas. As bactérias não fazer as mesmas coisas ruins que fazem nos humanos quando são colocadas em estômagos de rato.

Os organóides também podem um dia servir como uma fonte de remendos de tecido que os médicos poderão vir a implantar em pacientes com estômagos danificados-ulcerosos, afirmam os pesquisadores. [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário