Novo distúrbio de memória do tipo Alzheimer identificado (com video)

Novo distúrbio de memória do tipo Alzheimer identificado (com video)

Cientistas descreveram um conjunto de critérios para uma nova doença neurodegenerativa com sintomas semelhantes à doença de Alzheimer.


E se parte do desafio de tratar a doença de Alzheimer fosse porque o paciente não tem realmente a doença?

Uma equipe de pesquisadores descreveu um conjunto de critérios para uma doença neurodegenerativa que tem sintomas muito semelhantes à doença de Alzheimer, mas não produz as placas amilóides associadas.

Esta nova doença foi apelidada de tauopatia primária relacionada com a idade. Esta nova definição pode levar a melhores opções de tratamento no futuro. A pesquisa foi publicada na revista Acta Neuoropathologica.

Saiba mais: 10 sinais de alerta da doença de Alzheimer

"Para fazer o diagnóstico de Alzheimer que você precisa ver duas coisas juntas no cérebro de um paciente: placas e estruturas chamadas de emaranhados neurofibrilares compostos de uma proteína chamada tau amilóides", disseram os pesquisadores.

"No entanto, os estudos de autópsias demonstraram que alguns pacientes têm emaranhados, mas não têm as placas e isso levou-nos a questionar que condição esses pacientes tinham".

As placas amilóides causadas por acumulação de proteínas beta-amilóide são um sinal certo da doença de Alzheimer. Quando os emaranhados de tau são vistos em pacientes com sintomas de Alzheimer e sem a placa amilóide, a doença era considerada como estando nos seus estágios iniciais.

Saiba mais: Doença de Alzheimer: Factos e Sintomas

Enquanto pesquisas anteriores mostraram que as proteínas beta-amilóide incorretamente-dobradas podem causar emaranhado de proteínas tau, alguns pacientes com emaranhados neurofibrilares têm proteínas beta-amilóide que estão a funcionar muito bem.

A equipe de pesquisa argumentou que, se as placas são o selo da doença de Alzheimer, os pacientes que têm emaranhados sem qualquer placa provavelmente têm algo completamente diferente. Esses pacientes seriam agora categorizados como tendo tauopatia primária relacionada com a idade.

“Estes avanços científicos poderão ter um grande impacto sobre a nossa capacidade de reconhecer e desenvolver tratamentos eficazes para o cérebro relativamente a doenças observadas em pessoas mais velhas", afirmam os pesquisadores.

Uma vez que esta definição é tão nova, ainda não está claro quantas pessoas têm a doença. Alguns estudos descobriram que um quarto dos pacientes com emaranhados atribuídos à doença de Alzheimer têm amilóide funcional e, ao invés, devem ser classificados à parte.

Novos critérios claros para a doença permitirão que os médicos identifiquem esses pacientes no futuro e trabalhem para desenvolver um tratamento melhor que aborda o tau em vez da amilóide. Veja abaixo o video para saber mais. [iflscience]

PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários: