Uso excessivo de tablets afeta capacidades emocionais das crianças

Uso excessivo de tablets afeta capacidades emocionais das crianças

Uso excessivo de tablets e pouca interação face a face pode degradar a capacidade das crianças em lerem as emoções dos outros, sugere um novo estudo.


Uma equipe de pesquisadores da UCLA descobriu que um grupo de crianças que não usou telefone, TV ou computador durante cinco dias foi muito melhor a ler emoções de outras pessoas corretamente do que um grupo de crianças que passou cinco dias absorvido com a telefones e outros dispositivos eletrônicos.


"Muitas pessoas estão olhando para os benefícios dos meios digitais na educação, e não muitos estão a olhar para os custos", disse Patricia Greenfield, professora de psicologia na Universidade da Califórnia e autora principal do estudo.

"A diminuição da sensibilidade a estímulos emocionais - perder a capacidade de entender as emoções de outras pessoas - É um desses custos", acrescentou a pesquisadora. Os pesquisadores trabalharam com 105 crianças de uma escola pública da Califórnia, sendo que metade foi privada do uso de dispositivos eletrónicos e os restantes usaram livremente os dispositivos.

Os pesquisadores mostraram fotos a cada aluno de pessoas com expressões felizes, tristes, irritados ou assustados e pediram aos alunos para identificar a emoção expressa em cada foto. As crianças também assistiram a vídeos de atores que apresentaram cenas curtas, como um aluno confiante ou ansioso a apresentar um teste para o seu professor.

Os pesquisadores pediram que cada estudante descrevesse as emoções que pensavam que os personagens estavam sentindo durante cada vídeo. Após cinco dias, cada criança fez uma outra versão do mesmo teste.

As crianças que passaram a semana sem qualquer eletrônica mostraram muito mais melhorias no teste do que as crianças que continuaram usando os seus dispositivos. O estudo teve algumas limitações, que os pesquisadores reconheceram. Por exemplo, em um experimento como esse, é difícil separar o efeito de passar o tempo na natureza da ausência de telas.

Mas o estudo é uma adição bem-vinda ao pequeno corpo de pesquisa sobre os efeitos do tempo gasto fora das telas, disse Dana Klisanin, psicólogo e diretor-executivo da MindLab no Centro de Criatividade Consciente na Califórnia.

"Precisamos de um grupo mais vasto de investigação nesta área, antes de podermos dar orientações claras para os pais e educadores na medida em que o impacto da mídia afeta a saúde”, disse Klisanin que não esteve envolvida no estudo.

E, embora os resultados do estudo sejam preliminares porque envolveu um pequeno número de participantes, os resultados ainda são dignos de consideração, disse Jim Taylor, professor de psicologia na Universidade de San Francisco.

"O tempo gasto na frente de uma tela é o tempo gasto sem interagir com outros seres humanos", disse Taylor. "Competências emocionais desenvolvem na prática e o cérebro se desenvolve por meio da interação real". [Livescience]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário