Descoberto vírus que deixa os seres humanos menos inteligentes

Descoberto vírus que deixa os seres humanos menos inteligentes

Cientistas dos EUA que estudavam micróbios da garganta inadvertidamente tropeçaram em um vírus de algas que parece ter um ligeiro, mas mensurável efeito negativo sobre o funcionamento cognitivo em humanos.



Tal vírus parece afetar o processamento visual e a orientação espacial. Perturbadoramente, milhões de nós já pode estar infectado. Chamado Chlorovirus ATCV-1, é um vírus conhecido por infectar certas algas verdes.

Saiba mais: Top 9 vírus mais mortais da Terra

As algas verdes incluem mais de 7.000 organismos que vivem de água que se assemelham a plantas, mas pertencem a um reino biológico separado. Eles são normalmente encontrados em ambientes aquáticos, como lagoas, lagos e oceanos.

Antes do novo estudo, que agora aparece na PNAS, os cientistas não sabiam que o Chlorovirus era capaz de infectar seres humanos. Os cientistas acidentalmente tropeçaram no vírus ao analisar a população microbiana das gargantas de pessoas saudáveis para um estudo não-relacionado.

Estas amostras foram obtidas em participantes que faziam parte de uma pesquisa que incluiu medidas de funcionamento cognitivo. A análise revelou que 40 dos 92 participantes (43,4%) testaram positivo para o vírus de algas. Isso é um preocupante número elevado.

Saiba mais: O que é um vírus?

Os pesquisadores não estão inteiramente certos de como o vírus infecta os seres humanos, mas mostraram que as infecções não são exclusivas para os nadadores. Os pesquisadores explicaram o seu efeito sobre o funcionamento cognitivo da seguinte forma:

“O grupo que abrigava o vírus teve pior desempenho global em um conjunto de tarefas para medir a velocidade e a precisão do processamento visual. Embora o seu desempenho não fosse drasticamente mais pobre, era mensuravelmente inferior”, dizem os pesquisadores.

Por exemplo, as pessoas que abrigavam o vírus tiveram, em média, quase nove pontos a menos em testes de rapidez. Portadores virais também tiveram sete pontos a menos, em média, em testes que medem a atenção. Para melhor elucidar os efeitos do vírus, os pesquisadores fizeram mais estudos.

Saiba mais: Descobertos os maiores vírus de sempre

Eles infectaram um grupo de ratos e analisaram o seu desempenho em um conjunto de testes destinados a medir o equivalente roedor da função cognitiva humana. Os animais infectados com o vírus exibiram défices semelhantes aos observados em humanos.

Animais infectados tiveram pior memória de reconhecimento e orientação espacial do que os ratos não infectados. Por exemplo, eles tinham mais dificuldade em encontrar o seu caminho em um labirinto, não reconhecendo uma nova entrada que antes era inacessível.

Além disso, os animais infectados foram menos propensos a prestar atenção a um novo objeto, gastando quase 30 por cento menos tempo a explorá-la do que os ratos não infectados, um achado que sugere menor capacidade de atenção e maior distração nos ratos infectados.

Saiba mais: Pelo menos 320 mil vírus escondem-se nos mamíferos

Os pesquisadores advertem que desenhar ligações directas entre ratos e seres humanos pode ser redutor, mas, dizem, os paralelos observados no estudo foram bastante impressionantes.

A análise de amostras de cérebro de ratos infectados com o vírus revelou alterações na expressão de vários genes encontrados no hipocampo, a parte do cérebro associada a memória de curto e longo prazo e à orientação espacial. Algumas dessas alterações envolviam genes que regulam a resposta à dopamina.

A dopamina é um neurotransmissor que afeta uma ampla gama de funções neurológicas e cognitivas. A descoberta de envolvimento de múltiplos genes sugere mecanismos que podem explicar alguns dos efeitos observados no estudo, dizem os pesquisadores.

Os pesquisadores, no entanto, advertem que os seus resultados requerem aprofundado acompanhamento para esclarecer os efeitos do vírus sobre a cognição humana e os mecanismos exatos que eles precipitam.

Felizmente, os impactos cognitivos são ligeiras, mas é uma descoberta perturbadora. Não só o novo estudo revela uma nova classe de vírus capazes de infectar os seres humanos, mas mostra que certos microorganismos podem desencadear alterações fisiológicas sutis, sem percebermos. [io9]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário