Mistério de Supernova encontrado no fundo do mar

Mistério de Supernova encontrado no fundo do mar

Um dos lugares mais improváveis para os astrônomos aprenderem sobre supernovas é o fundo do mar. Mas foi lá que encontraram um novo mistério.


Através da análise cuidadosa dos sedimentos oceânicos, partículas minúsculas que se originaram a partir do espaço profundo e se instalaram no fundo do mar, os cientistas estão estudando os segredos químicos para processos de supernovas que têm sido um mistério.


"Pequenas quantidades de detritos dessas explosões distantes caem sobre a Terra enquanto ela viaja através da galáxia", diz Anton Wallner, da Universidade Nacional da Austrália.

"Analisamos a poeira galáctica dos últimos 25 milhões anos que se estabeleceu sobre o oceano e encontramos muito menos elementos pesados, como o plutônio e urânio, do que esperávamos", acrescentou.


As supernovas são explosões poderosas accionadas quando estrelas massivas chegam ao fim das suas vidas. Durante esses eventos poderosos, muitos elementos são forjados, incluindo elementos que são essenciais para a vida prosperar - como ferro, potássio e iodo.

No entanto, como apontado por um comunicado de imprensa da Universidade Nacional Australiana, elementos ainda mais pesados, como chumbo, ouro e elementos radioativos como urânio e plutônio podem ser criados. Mas parece que os processos de formação para os elementos mais pesados estão em desacordo com a teoria astrofísica atual.


Wallner e a sua equipa estudaram amostras de sedimentos do fundo de uma região estável no fundo do Oceano Pacífico. Mas quando mediram as quantidades de plutônio-244, um radioisótopo que é produzido por supernovas, eles encontraram algo estranho em seus resultados - havia 100 vezes menos plutônio-244 do que o previsto.

O Plutônio-244 tem uma semi-vida de 81 milhões anos, tornando-se um excelente indicador do número de supernovas que explodiram nas proximidades da nossa galáxia na história recente. Assim, qualquer plutônio-244 que se encontras na terra deve ter sido criado por eventos explosivos que ocorreram mais recentemente, nas últimas centenas de milhões de anos.

Mas o fato de que há deposição menos recente dos elementos mais pesados, apesar do fato de que sabemos que supernovas surgiram nas proximidades, sugere que um mecanismo de formação diferente pode ser responsável por elementos como o plutônio-244.

"Parece que esses elementos mais pesados não podem ser formados em supernovas padrão", conclui Wallner. "Podem ser precisos eventos explosivos mais raros, como a fusão de duas estrelas de nêutrons, para forjar esses elementos mais pesados". A pesquisa foi publicado na revista científica Nature Communications. [Space]
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Enviar um comentário