Ultra-sons podem tratar doença de Alzheimer

Os ultra-sons são úteis para olhar para dentro do corpo, mas de acordo com uma nova pesquisa também podem ajudar a tratar a doença de Alzheimer.


Num novo estudo, os cientistas descobriram que a digitalização dos cérebros de ratos com um modelo da doença não só ajudaram a limpar os acúmulos de proteínas anormais que estão associados com a doença de Alzheimer, mas também melhoraram a sua memória.


Embora os ratos sejam muito diferentes de nós, se se mostrar seguro e eficaz em humanos, poderá ser uma ferramenta inestimável, não só para o tratamento da doença de Alzheimer, mas também para outras doenças cerebrais. O estudo foi publicado na revista Science Translational Medicine.

A Doença de Alzheimer (DA) é uma doença neurodegenerativa caracterizada por disfunção cognitiva progressiva. Embora a causa da doença de Alzheimer ainda não tenha sido esclarecida, sabemos que o seu desenvolvimento está associado com o encolhimento do cérebro e com a formação de placas características em determinadas áreas.


Estas são compostas por células mortas e por uma proteína conhecida como beta-amilóide, que se agrega em fibras anormais que se acumulam como aglomerados tóxicos fora das células. Muita investigação sobre DA tem sido feita no sentido de se prevenir a formação destes agregados ou de forma a removê-los do cérebro, mas os cientistas têm um problema.

O cérebro é blindado por uma delicada camada de células, conhecido como a barreira hemato-encefálica, que é muito difícil de ultrapassar por agentes terapêuticos ou por anticorpos úteis. Os cientistas têm, portanto, tentado desenvolver formas de abrir temporariamente essa barreira, permitindo que fármacos, ou componentes do sistema imunológico, cheguem ao interior, o que poderia ajudar a limpar as proteínas problemáticas.

Há alguns anos, os cientistas descobriram que a combinação de ultra-sons com bolhas microscópicas inofensivas, que são utilizadas como agentes de contraste de ultra-som, poderia ser uma técnica eficaz. As ondas sonoras fazem vibrar e expandir as bolhas, o que cria aberturas transientes na barreira hemato-encefálica.


Os pesquisadores, portanto, questionaram-se se esta técnica poderia impulsionar a resposta protetora de nosso cérebro relativamente às proteínas tóxicas na DA. Nosso cérebro está equipado com células, chamadas microglia, que geralmente atacam as proteínas prejudiciais, mas que nas proteínas da DA estão prejudicadas.

Ao permitir que os componentes do sistema imunológico passem através da barreira hemato-encefálica, eles poderiam agir para estimular essas células a entrar novamente em ação. Para testar esta hipótese, os cientistas do Instituto do Cérebro de Queensland usaram ratos com modelos de DA e injetaram microbolhas antes de digitalizar repetidamente todo o cérebro de metade dos animais, deixando os restantes como controle.

Eles descobriram que os animais que receberam os ultra-sons mostraram ativação da microglia nos seus cérebros, tendo extensivamente engolido proteínas da DA. Em comparação com os controlos, a carga de DA foi também reduzida para 75% dos ratinhos, tendo desaparecido quase todas as suas placas. Além disso, esses animais também tiveram melhor desempenho em três tarefas de memória diferentes.

Apesar de parecer certamente promissor, não sabemos ainda se será seguro ou eficaz em seres humanos. Alguns especialistas têm apontado que, embora o tratamento não seja invasivo, ainda é perturbador e as potenciais consequências negativas de baixar a guarda de nosso cérebro, ainda que temporariamente, não foram esclarecidas por este estudo. Mais pesquisas são, portanto, necessárias, por isso os pesquisadores planeiam usar animais maiores a seguir.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. Interessantes pesquisas e avanços na medicina podem ajudar futuras geraçoes a ter uma vida muito melhor.

    ResponderEliminar