Novo tratamento do câncer pára o crescimento de tumor

Novo tratamento do câncer pára o crescimento de melanomas agressivo

Pesquisadores nos EUA descobriram uma nova forma de combater melanomas agressivo com as defesas do próprio sistema imunológico do corpo.


Neste novo tratamento, testado em ratos, o crescimento de uma forma muito agressiva de melanoma foi interrompido em até 90 por cento dos ratos testados.


Usando uma técnica conhecida como imunoterapia do câncer, uma equipe do MIT descobriu a forma de ativar a resposta imunológica do corpo enviando anticorpos para um tumor, enquanto, ao mesmo tempo estimularam as células T para treinar o sistema imunológico a responder a futuros ataques.

Pesquisadores no passado têm tentado desenvolver tratamentos viáveis, seja através de anticorpos ou células T, mas nenhum conseguiu o nível de sucesso que esta equipa conseguiu quando combinou os dois modos de ataque e os usou simultaneamente.

"Um anticorpo anti-tumor pode melhorar a terapia com células T adotada numa medida surpreendente", afirmou em comunicado de imprensa Dane Wittrup, engenheiro químico e membro da equipa de pesquisa. "Estas duas partes diferentes da terapia imunológica são interdependentes e sinérgicas", acrescentou.


Fármacos como o rituximab e Herceptin são usados ​​para estimular os anticorpos do corpo, levando-os a ligarem-se a proteínas de câncer e a interromper os sinais que lhes permitem dividir e multiplicar. Ao mesmo tempo, os anticorpos activam a resposta imunitária do corpo para matar as células tumorais que já se formaram.

E a terapia com células T envolve a remoção de milhares de milhões de células T do paciente, programá-las para atacar uma molécula específica do tumor, e depois devolvê-los à corrente sanguínea do paciente.

A fim de activar as respostas ao mesmo tempo, a equipa do MIT usou uma molécula de sinalização chamada interleucina 2 (IL-2), que é conhecida por aumentar a resposta imune do corpo, mas até recentemente, apenas mostrou sucesso na placa de Petri.


"Os estudos laboratoriais anteriores mostraram que a molécula foi capaz de melhorar significativamente a eficácia das células naturais a destruir e combater as células de câncer", disse Chris Wood, "mas revelou-se muito menos eficiente na corrente sanguínea, onde os rins filtram a molécula em poucas horas - muito antes de ela ter a oportunidade de fazer a sua magia".

Então Wittrup e seus colegas fundiram IL-2 numa molécula de anticorpo, que lhe permitiu fazer o seu caminho através da corrente sanguínea durante muito mais tempo, sem ser filtrado. Quando administrados com fármacos de anticorpos uma vez por semana, a IL-2 foi capaz de parar o crescimento de uma forma muito agressiva de melanoma nos ratos de laboratório.

"A resposta inata do anticorpo cria um ambiente tal que, quando as células T entram, eles podem matar o tumor. Na sua ausência, as células tumorais estabelecem um ambiente em que as células T não funcionam muito bem", disse Wittrup. Os resultados foram publicados na revista científica Cancer Cell.

A equipa de pesquisadores do MIT irá continuar a fazer experimentos com diferentes tipos de moléculas de anticorpo para ver qual é o mais eficaz para conduzir a IL-2 através da corrente sanguínea sem passar pela filtragem descrita atrás. Se forem bem sucedidos, irão passar à testagem em humanos nos próximos anos.
PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

2 comentários:

  1. It is cool that you describe.

    ResponderEliminar
  2. Latest sports news headlines from India and world. Check out today's most recent & up-to-date news coverage, videos & photos at thesportsrumour.com
    sports news

    ResponderEliminar