Psicopatas insensíveis também sentem empatia

Psicopatas insensíveis também sentem empatia


Psicopatas podem ser capazes de sentir empatia com os outros em algumas situações, descobriu um novo estudo.

Os pesquisadores do estudo investigaram a atividade do cérebro de psicopatas criminosos na Holanda. Como esperado, os cérebros dos psicopatas mostraram menos empatia do que os indivíduos mentalmente saudáveis, enquanto observavam os outros a sentir dor ou afeto. 

Mas quando lhes foi pedido para empatizar, os psicopatas parecem mostrar níveis normais de empatia, sugerindo que a capacidade de compreender os sentimentos e pensamentos de outra pessoa pode ser reprimida nestes indivíduos, em vez de totalmente ausente.

Os psicopatas são tradicionalmente caracterizados como pessoas manipuladoras que não têm a capacidade de empatia. O seu desapego irritante parece tornar-lhes mais fácil prejudicar os outros. "Psicopatas podem ser, por vezes, muito charmosos e socialmente astutos, e outras vezes são insensíveis e realizam atrocidades", disse o pesquisador Christian Keysers, neurocientista da Universidade de Groningen, na Holanda.

Quando as pessoas saudáveis ​​veem outros executar uma ação, a observação transforma-se em "ação" nas áreas do seu próprio cérebro - conhecidas como o sistema de neurónios-espelho. Da mesma forma, quando as pessoas experimentam dor ou prazer, eles imitam esses sentimentos nos seus próprios cérebros.

Poucos estudos analisaram o que está acontecendo nos cérebros dos psicopatas em situações que provocam empatia em pessoas normais. Keysers e seus colegas obtiveram acesso raro a um grupo de psicopatas criminosos para o estudo.

Os psicopatas foram colocados numa ressonância magnética (MRI) tendo-lhes sido exibidos filmes retratando duas mãos a interagir de maneira amorosa ou dolorosa, como acariciar um lado ou bater no outro. Primeiro, eles simplesmente assistiram aos filmes do scanner. Em seguida, os pesquisadores instruíram os participantes a assistir os filmes de novo e tentar criar empatia com os sujeitos nos filmes. 

Os pesquisadores também realizaram as mesmas ações nas mãos dos psicopatas, "para ver se eles ativavam as mesmas áreas do cérebro, como fizeram enquanto assistiam os filmes. Eles compararam a atividade cerebral dos psicopatas com a de pessoas saudáveis. 

Os cientistas observaram a ativação cerebral em três áreas associadas com as próprias ações de uma pessoa ou sentimentos: o sistema pré-motor, que planeia os movimentos, o sistema somatossensorial, que é responsável pela sensação de dor, e a ínsula, que permite que as pessoas sintam dor emocional. 

Quando os psicopatas assistiram os filmes pela primeira vez, os seus cérebros mostraram diminuição da atividade nessas áreas em comparação com indivíduos saudáveis. Esta descoberta apoia a noção de que os psicopatas sentem menos empatia para com os outros. 

Mas, surpreendentemente, quando os psicopatas foram instruídos a tentar criar empatia enquanto assistiam os vídeos, os seus cérebros mostraram o mesmo nível de atividade nessas áreas do cérebro como os indivíduos normais.

Os resultados sugerem que os psicopatas são, de facto, capazes de ter empatia, se conscientemente a controlarem. Esta habilidade pode explicar por que um psicopata pode ser encantador num instante, e brutal a seguir, dizem os pesquisadores.

A ideia também tem implicações para a terapia. Terapias mais atuais assumem que aos psicopatas falta empatia, e assim tentam produzir a habilidade. Ao invés de criar empatia em psicopatas, os terapeutas podem encontrar maneiras de torná-la automática, disse Keysers. Os resultados foram detalhados ontem (24 de julho) na revista Brain.


PARTILHE
loading...
    Blogger Comment
    Facebook Comment

1 comentários:

  1. O verbo assistir é transitivo INDIRETO, portanto, o correto é assistir AO filme, e não assistir o filme. Ok?

    ResponderEliminar